Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado

O Brasil registrou abertura de 260.823 vagas de trabalho em fevereiro, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgado pelo Ministério do Trabalho nesta segunda-feira (17).Em janeiro, haviam sido criados 29.595 postos com carteira assinada, sem ajuste. O saldo é decorrente de 1.989.181 admissões e 1.728.358 desligamentos. O saldo do mês passado só foi inferior ao registrado em fevereiro de 2011, quando foram geradas 280.799 vagas.

O resultado ficou acima do número obtido por pesquisa do AE Projeções. As estimativas de 13 instituições para o segundo mês do ano iam de 86 mil a 158 mil vagas, sem levar em conta ajustes sazonais. A partir deste intervalo de previsões a mediana atingiu 116 mil postos. Pesquisa da Reuters feita com analistas de mercado mostrou que a mediana das expectativas era de abertura de 110 mil novas vagas, com as projeções variando entre 91 mil e 130 mil novos postos.

O emprego formal celetista cresceu 0,64%,em relação ao estoque do mês anterior, indica o MTE. Nos últimos 12 meses, verificou-se a criação de 1.157.709 postos de trabalho, equivalentes à expansão de 2,91% no contingente de empregados formais.

O setor de serviços gerou 143.345 vagas em fevereiro. A indústria da transformação gerou 51.951 vagas no mês passado. A agricultura apresentou saldo positivo de 6.098 vagas em fevereiro. O comércio abriu 19.330 vagas em fevereiro. A construção civil gerou 25.055 vagas no mês passado.

No período de janeiro de 2011 a fevereiro de 2014, foram gerados 4.792.529 postos de trabalho, representando um crescimento de 10 88% sobre o estoque de dezembro de 2010, ressalta o MTE.

Caged mostra reação do mercado de trabalho, avalia ministério

A expansão do emprego em fevereiro - com 260.283 novas vagas formais - representa uma reação no setor, destaca o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). No acumulado de janeiro e fevereiro, o Brasil gerou 302.190 novos postos de trabalho. "Tal comportamento mostra uma reação do mercado de trabalho, considerando que esta criação expressiva de empregos só foi observada pela última vez em abril de 2011", cita material do MTE sobre a expansão do emprego no mês passado. Em abril de 2011 foram criadas 272.225 vagas. Com a expansão anunciada nesta segunda, fevereiro é o sétimo mês consecutivo de desempenho superior, quando comparado ao mesmo período do ano anterior, destaca o ministério.

O MTE ressalta também que houve aumento em todos os setores. Em números absolutos, os destaques foram "serviços", com geração de 143.345 postos, saldo recorde para o período; "indústria de transformação", com saldo positivo de 51.951 postos em fevereiro o terceiro maior resultado para o mês; e "construção civil", com saldo positivo de 25.055 vagas.

Dentro do setor de serviços, os destaques foram ensino, com novos 48.813 postos; serviços de alojamento e alimentação, com geração de 36.337 vagas; e serviços de transportes e comunicações, com 13.333 empregos novos. As instituições financeiras apresentaram relativa estabilidade, com 113 postos de trabalho novos no mês passado, o que não chega a ser uma má notícia, considerando que em janeiro o segmento fechou 567 vagas.

Na indústria de transformação, houve expansão em onze dos doze segmentos analisados. Os destaques foram a indústria de produtos alimentícios gerou 12.587 postos, o terceiro maior saldo para o mês; a indústria de calçados apresentou saldo positivo de 7.271 vagas e a indústria química gerou 7.172 empregos formais. A indústria de material de transporte foi o único ramo industrial que não elevou o nível de emprego, ao apontar uma redução de 44 postos de trabalho, frente retração de 1.092 postos em janeiro.

Na agricultura, que gerou 6.098 postos de trabalho no mês passado, os desempenhos positivos em destaque foram o cultivo de frutos de lavoura permanente, exceto laranja e uva, com 3.857 vagas. O cultivo de cana-de-açúcar, com 3.745 vagas e o cultivo de soja, com 2.857 vagas. O cultivo de laranja, entretanto, eliminou 4.797 postos de trabalho e as atividades de apoio à agricultura enxugaram 2.251 vagas.

Regiões

O MTE destaca que houve expansão do nível de emprego nas cinco regiões brasileiras. No Sul foram gerados 79.990 postos de trabalho no mês passado. No Nordeste, houve geração de 17.565 postos. No Sudeste foram 130.628 novos empregos no mês passado. O Centro-Oeste apresentou 29.515 novas vagas e o Norte gerou 3.125 postos em fevereiro.

Por Unidades da Federação, o Estado de São Paulo liderou a geração de emprego no país em fevereiro, com 77.928 novas vagas. Segundo os dados do Caged, esse foi o melhor resultado para o mês nos últimos três anos, o que representou expansão de 0,61% em relação ao estoque de assalariados com carteira assinada do mês anterior. Tal resultado foi oriundo principalmente da geração de empregos nos setores de serviços (+50.756 postos), da indústria de transformação (+12.563 postos), da administração pública (+6.545 postos) e do comércio (+6.160 postos). Santa Catarina também foi destaque no mês passado, com novos 27.891 empregos; assim como o Rio Grande do Sul, com 26.487 novas vagas. Em contrapartida, Pernambuco perdeu 883 empregos no mês passado e o Maranhão eliminou 866 vagas.

Nas nove áreas metropolitanas pesquisadas, houve geração de 94.524 postos de trabalho em fevereiro. Com expansão em todas as cidades. Os maiores aumentos foram registrados em São Paulo (+ 34.914 postos), Rio de Janeiro (+ 21.331), Curitiba (+ 9.507), Belo Horizonte (+ 8.159 postos) e Porto Alegre (+ 8.020).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]