i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Recurso estrangeiro

Brasil é ignorado por investimento chinês

  • PorAgência Estado
  • 26/11/2009 21:04

A China tem surpreendido o mundo com o salto de seus investimentos produtivos no exterior. Mas o Brasil parece estar fora desse movimento. A relação bilateral tem de fato se intensificado, só que basicamente no âmbito comercial. Enquanto os chineses absorvem cerca de 10% das exportações brasileiras, puxadas por soja e minério de ferro, o investimento direto em solo nacional é exíguo, apesar dos esforços de aproximação.

Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), as vendas para a Ásia (leia-se China) aumentaram 4,2% nos nove primeiros meses de 2009, colocando a região na primeira posição de mercado comprador, superando a União Europeia. No ano passado, a China comprou do Brasil US$ 16,4 bilhões.

Já em investimento direto, os últimos dados disponíveis do Banco Central mostram que a posição de estoque da China no Brasil não passava de US$ 238,7 milhões até abril, segundo levantamento do economista Luís Afonso Lima, presidente da Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e da Globalização Econômica, a Sobeet.

O valor real, na verdade, seria uma incógnita, já que muito dos recursos que ingressam da China no Brasil podem vir por meio de terceiros países. Mas mesmo que seja o dobro do que registra o Banco Central, o valor é "irrisório", segundo o secretário executivo do Conselho Empresarial Brasil-China, Rodrigo Maciel. "Apesar de ser relativamente nova no cenário, a China já tem um perfil de investidor mundial", ressalta.

No ano passado, a República Popular da China respondeu por 2,8% dos fluxos globais de investimentos diretos, o que correspondeu a US$ 52 bilhões, mais que o dobro do registrado em 2007. Desse montante, o Brasil recebeu menos de US$ 38 milhões de recursos produtivos.

Na verdade, disse Lima, o IED chinês ainda é muito regional, concentrando-se na Coreia do Sul, no Japão e Vietnã. Fora da Ásia, o foco são os países africanos. Na África, a China tem entrado forte em ativos de petróleo.

Missão

Hoje chega ao Brasil uma missão de 350 empresas de diversos setores, sendo que 125 são potenciais investidores tanto no setor produtivo quanto no financeiro. O Brasil tem commodities a oferecer aos chineses: minério de ferro, soja e outros grãos, petróleo e biocombustíveis. O grande entrave para o investimento, segundo Maciel, é que o Brasil ainda é desconhecido dos chineses. "O comércio cresceu, mas o que precisamos agora é oferecer a eles um fluxo de projetos de investimentos, com estudos de viabilidade e financiamento", diz.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.