i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Demografia

Brasil precisa enriquecer antes que comece a envelhecer

Queda na natalidade deixa o país em condições de melhorar infraestrutura, mas oportunidade acabará quando os trabalhadores de hoje se tornarem os aposentados de amanhã

  • PorBreno Baldrati
  • 28/08/2010 21:01
 |
| Foto:

Previdência sob controle é o maior desafio

Para o Brasil manter estável a relação entre PIB e gasto com a Previdência, o país precisa crescer entre 3,7% e 3,8% ao ano até 2040. A estimativa foi feita pelo economista Paulo Tafner, do Ipea. Nos últimos 30 anos, na média, o país cresceu 2,4% ao ano. De 1994 para cá, o crescimento foi de 3,9%. "Agora, esse é um cálculo que não leva em conta uma situação em que o país continue a dar ganho real para o aposentado. Se isso acontecer, essa projeção de crescimento necessária para manter a Previdência vai explodir", diz Tafner.

Leia a matéria completa

  • Veja que no futuro menos trabalhadores vão sustentar mais pensionistas

Para cada cinco brasileiros que são ou muito novos ou muito ve­­lhos para trabalhar, dez estão em idade para fazer parte da força de trabalho. Em meados da década de 60, essa relação era de nove para dez – ou seja, em tese os salários de dez trabalhadores serviam para o sustento deles e de mais nove pessoas. A mudança na estrutura etária da população, motivada pelo menor número de filhos por mulher, indica que o Brasil vive hoje uma janela de oportunidade para investir na qualidade dos serviços públicos. Com menos crianças, a necessidade de aumento da infraestrutura, como hospitais e escolas, é limitada, e o governo pode se concentrar em melhorar o que já existe. Mas essa também é uma corrida contra o tempo, com data marcada para terminar: a partir de 2025, a razão de dependência da população voltará a crescer, devido a um aumento mais acelerado no número de idosos do que no de adultos. Como gostam de dizer os economistas, o dilema do Brasil é ficar rico antes de ficar velho.

No início dos anos 1950, cada mulher brasileira tinha em média 6,1 filhos. Hoje, a média é de 1,8 filho, segundo o IBGE. O nível fica abaixo do que os demógrafos estabelecem como "taxa de reposição", de 2,1 filhos – um para repor o pai, um para repor a mãe e 0,1 para compensar a taxa de mortalidade das crianças que não chegam à idade adulta. Com o atual ritmo, o país caminha para enfrentar uma redução no número de habitantes. "Eu não estranharia se daqui a 15 anos o Brasil começasse a ter um programa pró-natalista", diz Paulo Tafner, economista do Instituto de Pesquisa Aplicada (Ipea) e co-autor do livro De­­mografia: a ameaça invisível, escrito com o economista Fábio Giambiagi.

Oportunidade e risco

Até 2025, a queda no número de filhos pode ser encarada como uma oportunidade. Menos filhos significam mais mulheres no mercado de trabalho. Também quer dizer mais investimento na educação dos filhos. "Imagine uma família com seis filhos e outra com dois. Supondo que tenham renda parecida, os filhos da família maior vão receber menos investimento, seja na saúde ou na educação, por exemplo", diz José Eustáquio Diniz Alves, doutor em demografia e professor do mestrado em Estudos Populacionais e Pesquisas Sociais da Escola Nacional de Ciências Estatísticas (Ence/IBGE).

O círculo virtuoso continuaria: filhos que recebem mais investimentos em saúde e educação podem se tornar adultos mais produtivos. "Mas a produtividade não vem do nada. É preciso melhorar a qualidade da educação. O que o governo economiza com a diminuição de alunos precisa ser gasto no aumento do gasto per capita na educação básica. Aí é que reside a grande oportunidade. Se o país conseguir fazer essa transição, podemos ficar numa situação boa", afirma Tafner.

No Brasil, o gasto médio por estudante na educação primária é de US$ 1.566. A média para os países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), segundo relatório da instituição, é de US$ 6.437. No Chile, por exemplo, o valor é de US$ 2.087 por aluno – 33% maior do que o do Brasil.

Outra vantagem associada à queda na fecundidade feminina é o aumento da poupança, tanto das famílias quanto do governo. Esse aumento tem reflexo direto nos investimentos. Quanto mais o país poupa, em geral, mais potencial de investimento ele tem.

Tudo isso, lembra Tafner, ocorre à sombra de uma ameaça, caso o país não enriqueça no tempo necessário. "Mais tarde, a queda no número de crianças vai ter um reflexo no número de trabalhadores, que também vai começar a cair. Vai ser menos gente para suportar um número maior de pensionistas. É uma ameaça", diz.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.