i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Comércio exterior

Brasil vai fazer concessões na Rodada de Doha, diz Lula

  • PorGlobo Online
  • 10/03/2006 16:16

O Brasil está disposto a fazer "as concessões necessárias", proporcionais ao poder econômico do país, para desbloquear a rodada global de negociações. Foi o que afirmou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva depois de um encontro, nesta quinta-feira, com o primeiro-ministro britânico Tony Blair. A informação está na edição desta sexta-feira do jornal Valor Econômico.

E a partir desta sexta-feira até domingo, ministros do G-6, grupo que reúne Brasil, Estados Unidos, União Européia, Índia, Austrália e Japão, reúnem-se na capital britânica, para tentar pavimentar um acordo, até o final de abril, da Organização Mundial do Comércio (OMC) sobre as maneiras de cortar subsídios e tarifas.

A conclusão da rodada de Doha, como é conhecida a ronda de negociações no âmbito da OMC, para a reforma das regras do comércio mundial - está prevista para o fim deste ano. No entanto, divergências sobre o setor agrícola têm bloqueado a possibilidade de avanços.

Os países em desenvolvimento exigem que os países ricos reduzam as taxas de importação aos produtos agrícolas e acabem com os subsídios aos agricultores.

Mas EUA e a União Europeia apenas aceitam cortar progressivamente os subsídios à agricultura e condicionam a diminuição dos direitos alfandegários à redução, por parte dos países emergentes, das taxas à importação de bens não-agrícolas.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.