i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Mercado financeiro

Buffett alerta para “Pearl Harbour financeiro”

  • PorThe Guardian. Tradução: João Paulo Pimentel
  • 24/09/2008 21:27

O megainvestidor Warren Buffett acredita que o governo dos Estados Unidos pode ter lucro caso saiba administrar o pacote anticrise, que prevê o desembolso de US$ 700 bilhões para salvar instituições financeiras em crise. Para que isso ocorra, segundo ele, é preciso que o Congresso norte-americano seja rápido na aprovação da proposta – inclusive para evitar o que classifica de um "Pearl Harbour econômico", em referência ao ataque japonês que resultou na entrada dos EUA na 2ª Guerra Mundial, em 1941.

Discreto durante boa parte da crise financeira, Buffett anunciou na noite da última terça-feira que estava investindo US$ 5 bilhões no Goldman Sachs. Com isso, o investidor devolveu ânimo à combalida indústria financeira. Buffett, cuja fortuna é estimada em US$ 62 bilhões, jogou todo o seu poder de influência em favor do plano lançado pelo secretário do Tesouro dos EUA, Henry Paulson. Para ele, a economia norte-americana simplesmente "travará se nenhuma medida for tomada". "Não estou dizendo que o pacote vai eliminar todos os problemas, mas ele é absolutamente necessário para não cairmos num precipício", disse.

Milhões de pequenos investidores dos EUA são sensíveis às opiniões de Buffett – não à toa, ele também é conhecido como o "Oráculo de Omaha". Por isso, quando o bilionário diz que o Tesouro norte-americano faria um bom negócio ao comprar ativos de bancos por preços baixos – e que o contribuinte seria recompensado no futuro –, o mercado respira aliviado. O aporte de US$ 5 bilhões no Goldman Sachs foi seguido de um aumento de capital no mesmo valor. O papel da instituição, que valia US$ 86 na semana passada, subiu ontem para US$ 127 na Bolsa de Nova Iorque.

Essa é a primeira vez em quase 20 anos que o conglomerado Berkshire Hathaway, comandado por Buffett, se associa ao setor bancário. "O preço era justo, as pessoas eram confiáveis, os termos eram aceitáveis, então decidi assinar o cheque", explicou o investidor.

Democrata convicto, que apóia abertamente a candidatura de Barack Obama, Buffett disse que gostaria de ver Paulson permanecer no Departamento do Tesouro, mesmo após as eleições. Pedindo ao Congresso que aja com rapidez, o "Oráculo" disse ainda que os problemas de Wall Street são indissociáveis das finanças pessoais dos consumidores norte-americanos: "A economia é como uma banheira. Você não consegue manter a água quente numa parte e fria na outra".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.