Desde 1999, a Lei de Cotas obriga as empresas que possuem 100 ou mais empregados a preencherem de 2% a 5% de seus cargos com portadores de deficiência ou beneficiários da Previdência Social reabilitados. No entanto, algumas dessas companhias não conseguem encontrar a quantidade necessária de funcionários que se enquadram neste perfil, apesar de existirem aproximadamente 14 milhões de deficientes no Brasil. Para ajudar tanto as empresas quanto os deficientes, existem programas e organizações cuja missão é capacitar e encaminhar essas pessoas ao mercado de trabalho.

Com esse objetivo, a Agência do Trabalhador – órgão estadual de fomento ao emprego – mantém o Programa de Apoio à Pessoa com Deficiência (PPD), cujo número de contratações feitas em 2005 superou em 44% a quantidade de 2004. Mais de mil pessoas conseguiram emprego no ano passado em todo o Paraná através do programa.

Além de ajudar as pessoas deficientes a encontrar uma vaga adequada às suas necessidades, a agência oferece gratuitamente uma assessoria para as empresas. Com visitas para a chamada "análise de funções", são identificadas as instalações e feita uma triagem dos locais que são mais adequados para os deficientes visuais ou auditivos.

Para os trabalhadores deficientes, a Secretaria do Trabalho oferece também cursos de capacitação em diferentes áreas. Existem ainda as qualificações realizadas por meio de parcerias com empresas ou instituições. "Em Curitiba, temos parceria com empresas e com a Universidade Livre para a Eficiência Humana (Unilehu)", diz a gerente da Agência do Trabalhador de Curitiba, Elaine Anderle.

A coordenadora da Unilehu, Patrícia Melo, explica que após a implantação da Lei de Cotas, verificou-se que grande parte dos deficientes não possuíam qualificação para trabalhar. "Por isso, nós fazemos um cadastro da pessoa, analisamos seu perfil e encaminhamos para um curso de capacitação." O serviço é gratuito.

Outro foco da entidade é ajudar as empresas a manterem um ambiente de trabalho saudável e adequado para os deficientes físicos. Para tanto, são feitas palestras de sensibilização para os funcionários, peças de teatro educativas e análise do espaço. A Unilehu também fornece curso para profissionais de recursos humanos que queiram aprender a contratar deficientes da melhor maneira.

Serviço: Agência do Trabalhador (Rua Pedro Ivo, 744). Informações: (41) 3883-2200 ou www.setp.pr.gov.br. Unilehu – Informações: (41) 3333-6921 ou www.unilehu.org.br.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]