i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Petrobras

Capitalização com barril caro é inviável

Com o preço da consultoria contratada pela ANP, minoritários precisariam comprar US$ 127 bilhões em novas ações da petrolífera para manter composição atual

  • PorAgência Estado
  • 22/08/2010 21:34

A Petrobras está autorizada a receber uma injeção de recursos de até R$ 150 bilhões, somando os aportes que serão feitos pela União e pelos demais sócios na sua capitalização. Esse montante equivale a cerca de US$ 85 bilhões. Mas os valores apontados para o preço dos barris de petróleo que a União irá repassar para a estatal mostram que a operação pode ultrapassar a casa dos US$ 180 bilhões. A capitalização é um processo que tem o objetivo de aumentar a capacidade de investimentos da empresa com a emissão de novas ações.

Os números ilustram a magnitude do problema que os técnicos do governo terão de resolver. O preço dos barris não pode ser nem muito alto, o que prejudicaria a capitalização; nem muito baixo, o que abriria espaço para questionamentos na Justiça. O dilema é evitar que uma grande operação financeira se transforme num gigantesco fiasco.

Se o governo optar por fixar o valor do barril que será cedido para a Petrobras em US$ 12, teto indicado pela certificadora contratada pela Agência Nacional do Petróleo, somente a parte da União na capitalização seria de US$ 60 bilhões. Como o governo detém 32,1% do capital total da empresa, isso significa que os demais acionistas (responsáveis por 67,9% das ações) teriam de arcar com mais US$ 127 bilhões. Pelas contas do mercado, uma operação desse tamanho não tem como ser absorvida. Isso implicaria numa diluição da participação dos acionistas minoritários e, consequentemente, um forte aumento da presença do Estado no capital da petrolífera. Além do aspecto político, a elevação da participação da União traria custos para o caixa do governo, que teria de arrumar dinheiro para comprar as ações que não foram adquiridas pelos demais sócios.

Duas operações

A Petrobras tem pressa em realizar a operação e tem insistido com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva para efetivar o aumento de capital ainda em setembro. Mas para isso, o preço do barril precisa ficar bem mais baixo. A lógica é simples: com valor entre US$ 5 e US$ 6, como sugerido pela certificadora contratada pela estatal, os 5 bilhões de barris que serão repassados pela União custariam entre US$ 25 bilhões e US$ 30 bilhões. Com isso, a operação toda não ultrapassaria a casa dos U$ 78 bilhões.

A capitalização da Petrobras foi autorizada pela Lei 12.276, aprovada pelo Congresso em junho. Ela prevê duas operações, segundo o economista Walter De Vitto, da consultoria Tendências. Na primeira, a União vende à estatal até 5 bilhões de barris. A Petrobras, por sua vez, emitirá ações que poderão ser compradas com títulos da dívida pública emitidos pelo Tesouro Nacional. Na segunda operação, a estatal utilizará os títulos que recebeu em troca das ações para pagar os barris.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.