i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
investimentos

CDB perde espaço para títulos livres de imposto

  • PorAgência Estado
  • 24/08/2014 21:22

R$553,5 bilhões é o atual estoque de CDBs, o maior do mercado. Somados, outros títulos – LCI, LCA, LF, DPGE e COE –, tem R$ 510,6 bilhões. Mas essa diferença já foi bem maior no passado.

Queridinho dos brasileiros entre as aplicações de renda fixa, o Certificado de Depósito Bancário (CDB) está perdendo espaço para outros títulos. Entre julho de 2013 e o mesmo mês neste ano, o estoque de CDBs caiu 10,2%, segundo dados da Cetip, a consolidadora do mercado financeiro.

Enquanto isso, papéis de renda fixa com isenção de Imposto de Renda – como as Letras de Crédito Imobiliário (LCI) e do Agronegócio (LCA) – atraíram mais investidores. Em um ano, os estoques dos títulos subiram 55% e 26%, respectivamente.

"A isenção fiscal das pessoas físicas em LCIs e LCAs é atraente tanto para o banco como para quem aplica", diz o diretor de gestão de recursos da corretora Ativa, Arnaldo Curvello. Os bancos ganham mais um chamariz para trazer mais investidores para os seus papéis e quem aplica, uma rentabilidade maior, pois não paga taxa de administração, como nos fundos, nem IR, como nos CDBs. No resgate da renda fixa convencional, é cobrado Imposto de Renda conforme o tempo da aplicação, começando em 22,5% para períodos inferiores a seis meses e terminando em 15% quando o prazo ultrapassa dois anos.

O ganho da isenção fiscal não é repassado integralmente ao investidor. Tanto em CDBs como nas letras, o retorno se dá sobre um porcentual do Certificado de Depósito Interbancário (CDI), taxa parecida com a Selic. Se um CDB rende 90% do CDI, por exemplo, no investimento nas letras os bancos diminuem a porcentagem para 80% do CDI para levar parte do ganho fiscal. Mas parte do mercado fala que, na maioria das vezes, o investidor consegue negociar boas taxas.

Riscos

Apesar de o dinheiro das LCIs e LCAs ser usado no crédito imobiliário e do agronegócio, para o investidor o risco é do banco. Mesmo que o tomador de crédito não pague o empréstimo, a instituição tem de honrar o compromisso com o aplicador. O risco do CDB também funciona assim, mas o crédito é livre, ou seja, o banco utiliza o dinheiro para empréstimos em qualquer modalidade.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.