Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Bilionário Li Ka-shing, da  Cheung Kong está em 11.º lugar na lista da revista Forbes, com patrimônio de R$ 26 bilhões | REUTERS/Tyrone Siu/Files
Bilionário Li Ka-shing, da Cheung Kong está em 11.º lugar na lista da revista Forbes, com patrimônio de R$ 26 bilhões| Foto: REUTERS/Tyrone Siu/Files

Enriquecer ainda é algo glorioso na China, mas tal aspiração representa um desafio maior para o desafio do governo de combater a crescente disparidade de renda no país marcado por divisões.

Graças à expansão da sua economia - agora a segunda maior do mundo -, a China quase duplicou seu número de bilionários, segundo uma lista anual da revista Forbes. Agora há 115 megarricos entre os 1,3 bilhão de chineses.

"Se alguém é um bilionário, isso é algo bom", disse Mao Yushi, um economista de 82 anos crítico do regime unipartidário chinês.

"Mas você precisa olhar de perto como a pessoa conseguiu isso. Ela conseguiu no mercado ou dependeu de privilégios especiais?", afirmou.

"As oportunidades aqui não são iguais. A China é uma sociedade que tem privilégios especiais. Nem todo mundo tem uma chance, apenas um pequeno número."

A lista da Forbes se tornou um dos temas mais comentados no Weibo Sina, espécie de Twitter chinês, onde aparecem muitos elogios à ascensão dos novos ricos.

"Mais poder para os chineses por sua rápida ascensão até as fileiras desses novos bilionários", escreveu "Hebei Jade Dragon."

Robin Li, o homem por trás do popular site de buscas Baidu, aparece como o homem mais rico da China, com uma fortuna estimada em 9,4 bilhões de dólares. Muitos usuários da Internet no país o veem como um modelo. "Ele é bonito, rico e jovem. Uau", disse o usuário com o pseudônimo Rainy Pavilion.

"Atualmente estou no colégio, e realmente quero ser como você! Eu te idolatro, e tenho certeza de que num dia não muito distante no futuro eu vou superá-lo", escreveu um anônimo no portal sina.com.

Mas o país tem um relacionamento complexo com magnatas. O Partido Comunista, que no passado os difamava como capitalistas exploradores do mal, agora se desdobra em cortejá-los e trazê-los para o sistema político.

Porém, surgiram nos últimos anos vários casos de ricos sendo presos por corrupção, ou tratando seus conterrâneos mais pobres com desdém. Acidentes de trânsito envolvendo carros de luxo e camponeses miseráveis têm virado notícia.

Mas o que geralmente não se comenta é a riqueza de pessoas ligadas à cúpula do regime comunista.

"E sobre a riqueza do Comitê Permanente?", escreveu um usuário num grupo de discussões da influente Universidade Tsinghua, em Pequim, referindo-se ao núcleo de poder no país. "Os parentes deles estão sendo avaliados também?".

Em Taiwan - ilha autônoma que Pequim qualifica como "província rebelde" - a lista da Forbes mostrou um aumento de 18 para 25 bilionários, em grande parte graças à aproximação política com Pequim nos últimos anos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]