i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Financês

O Tio Sam e você

  • PorFranco Iacomini - iacomini@gazetadopovo.com.br
  • 05/08/2013 21:20

Nas últimas semanas, o noticiário sobre a economia dos Estados Unidos ganhou quase tanta atenção por aqui quanto os indicadores nacionais. Crescimento econômico, geração de empregos e venda de casas por lá mexeram com o mercado brasileiro. E vão continuar mexendo, em especial com as cotações do dólar e, possivelmente, com os juros. Por isso, se você está pensando em investir ou mudar de posição em alguma área, é importante entender o que está acontecendo.

Desde 2008, o Federal Reserve (Fed, equivalente americano ao nosso Banco Central) faz compras mensais de títulos federais, da ordem de US$ 85 bilhões. A ideia com isso é manter baixas as taxas de juros de longo prazo – sem juros baixos, a recuperação da economia americana demoraria ainda mais. Esses incentivos, entretanto, devem ser extintos quando a locomotiva financeira voltar a andar por si só. Como alguns indicadores econômicos têm mostrado melhoras sensíveis nos últimos dois meses, muitos investidores e analistas consideram que esse momento está se aproximando. Por isso antecipam alguns movimentos, e o principal deles é a transferência de recursos de mercados periféricos (sim, o Brasil, nesse caso, é periférico) para títulos do governo americano.

Assim, os dólares vão deixando o Brasil. Com menos moeda disponível, os dólares que continuam por aqui passam a custar mais caro – é o velho princípio da oferta e da procura. Enquanto o Fed não definir de vez quando acabará com esse programa de compra de títulos, as oscilações na cotação do dólar vão continuar, e é possível que ela venha a subir mais um tanto ainda. A expectativa é que o programa seja encerrado (ou, pelo menos, modificado) até o fim deste ano. Há quem espere que o Fed anuncie um cronograma no mês que vem.

No Brasil, há mais em jogo que apenas a taxa de câmbio. Quando o dólar fica mais caro, alguns preços sobem no mercado interno. São aqueles dos produtos importados – eletrônicos, por exemplo; na semana passada, a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) detectou uma elevação nos preços de aparelhos de tevê que pode ser atribuída a isso – e de mercadorias cujo preço é definido no mercado internacional, como soja e trigo. É bem possível que, nos próximos meses, a Petrobras reivindique aumento nos preços de combustíveis. Por isso, a inflação pode ser afetada. Isso é muito ruim, porque ela já andava bem alta.

Qual é o remédio que o Banco Central brasileiro mais usa para baixar a inflação? Aumento nos juros. Será que vem mais uma alta por aí?

Retorno

A coluna volta hoje, depois de quatro semanas de pausa. No retorno, duas constatações:

- devo ter ficado fora tempo demais. Quando entrei em férias, Eike Batista ainda era bilionário;

- mercado e opinião pública parecem ter, finalmente, aceitado que algumas empresas vinham enganando gente no país com esquemas de pirâmide financeira. Duas empresas – Telexfree e Bbom – estão proibidas de captar clientes e de fazer pagamentos, por ordem judicial. E o Ministério Público está acompanhando outras, em vários estados. Na mira dos procuradores estão operações como a da Multiclick, Nnex e Priples.

Faraós

Para quem está em dúvida se um negócio é pirâmide ou não, vale lembrar dos princípios básicos: se a empresa promete uma taxa de retorno acima do normal, exige taxa de entrada, não condiciona o pagamento das parcelas à venda de algum produto ou serviço, ou ainda cobra do colaborador/divulgador um valor acima do mercado pelo produto ou serviço alardeado, cuidado. Procure mais informações, porque pode ser pirâmide.

E aí?

Quer mandar seu comentário ou uma dúvida sobre finanças pessoais? Escreva para financaspessoais@gazetadopovo.com.br.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.