i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
De olho nas finanças

2007 em risco

  • PorMauro Halfeld
  • 17/12/2006 22:22

No ano que vem estará cada vez mais em evidência um dos fundamentos de finanças. Quer um rendimento maior? Tome risco. E esteja preparado para as perdas que freqüentemente dão notícias e geram desânimo nos inexperientes

A moleza está no fim. A taxa Selic está caindo de verdade e boa parte dos ganhos reais nas aplicações de renda fixa está sendo devorada pelas elevadas taxas de administração cobradas pela maioria dos fundos destinados aos pequenos poupadores. A pesquisa Focus do Banco Central aponta que o mercado espera taxa Selic média em 2007 de 12,4%. Considerando-se um IGP-M de 4% no mesmo período, taxa de administração de 3% a.a. e imposto de renda de 20%, chegarão ao bolso do aplicador menos de 3% de ganhos reais. Isso seria suficiente para dobrar o capital investido em 24 anos. Podia ser pior, mas é bem diferente do que os brasileiros se acostumaram nos últimos anos.

A busca por maiores rendimentos nas aplicações já está levando a um intenso deslocamento para produtos com maior risco. Espera-se um aumento ainda maior nas aplicações em renda variável (ações e fundos de ações), ativos reais (imóveis e negócios próprios) e fundos que mesclem essas aplicações com maiores perspectivas de retorno como os multimercados. O movimento já começou. Confira no gráfico:

Vale lembrar que o investimento em ações é de elevado risco no curto prazo. Ainda pior para os que entram no mercado depois de quatro anos de sucessivas altas que já acumularam 288% só no governo Lula. Recuos no Ibovespa podem significar perdas dolorosas para os novatos. Muitos deles serão abatidos logo no início de seu primeiro vôo na renda variável.

Ao mesmo tempo, alguns fundos de renda fixa estão turbinando rendimentos com títulos públicos de longo prazo. Esses papéis são bem mais instáveis do que os similares de curto prazo. O pequeno aplicador precisa ficar ciente de que em momentos de pânico no mercado terá rendimentos negativos nessas aplicações.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.