Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Rio de Janeiro – A Companhia Vale do Rio Doce fechou ontem a compra do controle da mineradora canadense de níquel Inco por US$ 13,2 bilhões (R$ 28,4 bilhões). O negócio torna a mineradora brasileira a segunda maior do mundo, atrás da australiana BHP-Billiton.

A Vale adquiriu, em oferta pública na Bolsa de Toronto, 75,66% das ações da Inco. Os demais acionistas da companhia têm até 3 de novembro para vender à Vale seus papéis ao preço oferecido (86 dólares canadenses ou cerca de R$ 165), o que pode elevar o valor da aquisição para US$ 17,5 bilhões, se a aceitação for de 100%. Analistas esperam que adesão seja quase total, já que o preço oferecido é superior ao de mercado. A aquisição concluída pela Vale é a maior já realizada por uma empresa brasileira, segundo a consultoria KPMG.

A Inco é a segunda maior mineradora de níquel do mundo e tem as maiores reservas mundiais do metal – em forte alta no mercado internacional. Faturou US$ 4,7 bilhões nos nove primeiros meses de 2006. No ranking mundial das mineradoras, a empresa, proprietária de três minas no Canadá e uma na Indonésia, aparece em 12.º lugar.

O grande atrativo da oferta da Vale foi o pagamento aos acionistas em dinheiro. Assim, a brasileira desbancou as concorrentes Phelps Dodge (EUA) e Teck Cominco (Canadá), que entraram antes na disputa. A Teck chegou a apresentar proposta superior à da Vale, mas a maior parte da oferta era em ações. Os executivos da Inco recomendavam aos acionistas a proposta da Teck. Só depois de mais de um mês do lançamento da oferta da Vale, em 11 de agosto, passaram a apoiá-la.

A reação do mercado, apesar de o crescimento da dívida da Vale com a aquisição ter acarretado o rebaixamento de sua avaliação de risco. "A conclusão do negócio foi muito boa para a companhia. Recomendamos a compra das ações da Vale", disse a analista Cristiane Vianna, da corretora Ágora. Os papéis ordinários da Vale subiram 4,63% ontem. Os preferenciais subiram 3,34%.

A Vale viu na Inco a oportunidade de diversificar sua atividades e concorrer mais de perto com outras mineradoras, passando a atuar no mercado níquel, do qual a canadense detém 19% das vendas mundiais.

"A combinação de Vale e Inco representa uma grande oportunidade para criação de valor e na criação de uma líder global na indústria de metais e mineração", disse Scott Hand, presidente da Inco, em comunicado. A direção da Vale disse que só irá se pronunciar sobre a aquisição hoje.

Além da dura negociação para convencer os gestores da Inco que sua oferta era a melhor, a Vale teve de ceder ao governo do Canadá, que impôs condições para aprovar o negócio. A Vale se comprometeu a não demitir funcionários da Inco nos próximos três anos e a não reduzir o quadro de funcionários a menos de 85% do atual. Assegurou ainda que a sede dos negócios de níquel da companhia (batizada de CVRD Inco) ficará no Canadá, que irá gerir também os projetos em andamento no Brasil.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]