i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
retração

Confiança da indústria volta a cair e atinge menor nível desde junho

Índice da Fundação Getulio Vargas (FGV) apontou queda em 12 de 19 segmentos pesquisados sobre a situação atual quanto as perspectivas das empresas para os próximos anos

    • Estadão Conteúdo
    • 26/12/2016 09:16
     | Jonathan Campos/Gazeta do Povo
    | Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo

    O Índice de Confiança da Indústria (ICI) caiu 2,2 pontos em dezembro ante novembro, passando de 87 para 84,8 pontos, informou nesta segunda-feira (26) a Fundação Getulio Vargas (FGV). Este é o menor nível desde junho. Em novembro, o índice havia avançado 0,4 ponto.

    A queda na confiança industrial ocorreu em 12 de 19 segmentos pesquisados e atingiu tanto as avaliações sobre a situação atual quanto as perspectivas das empresas para os próximos meses. O Índice da Situação Atual (ISA) caiu 2,2 pontos, para 82,9 pontos, e o Índice de Expectativas (IE) recuou 1,8 ponto, para 87,1 pontos.

    Quatro bancos dominam 77% do crédito e “ditam” taxas de juros do país

    Leia a matéria completa

    Com piores avaliações sobre a demanda interna, o indicador que mede o nível de demanda atual, que recuou 3,5 pontos, para 81,8 pontos, foi o que mais contribuiu para a piora do ISA em dezembro.

    O porcentual de empresas que consideram o nível atual de demanda forte diminuiu de 9,0% para 6,0% do total entre novembro e dezembro, enquanto a fatia que o considera fraco aumentou de 35,5% para 36,1%.

    No caso da retração do IE, o destaque negativo foi a expectativa com o volume de pessoal ocupado nos três meses seguintes, que caiu 3,8 pontos, atingindo 80,6 pontos. Essa foi a quinta queda consecutiva do indicador, que alcançou o menor nível desde maio (75,9 pontos).

    Em dezembro, houve redução na parcela de empresas que prevê aumento do pessoal ocupado, de 11,5% para 10,7%, e elevação do porcentual de empresários que programa corte de funcionários, de 20,8% para 21,6%.

    O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) atingiu o menor nível da série histórica iniciada em 2001 ao passar de 74% para 72,5% entre novembro e dezembro.

    “O resultado da sondagem industrial de dezembro, com queda da confiança e nível recorde de ociosidade, joga um balde de água fria sobre indicadores que já estavam mornos. Entre agosto e novembro, a acomodação da confiança, motivada pela apatia da demanda interna, já havia interrompido a recuperação temporária da confiança do setor observada no primeiro semestre”, avaliou a coordenadora da Sondagem da Indústria da FGV/IBRE, Tabi Thuler Santos.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.