i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
FGV

Consumidores adiam compras diante de incerteza

Em agosto, as expectativas dos consumidores em relação à economia pioraram 3,9%, para o pior nível desde fevereiro de 2009

  • PorAgência Estado
  • 25/08/2014 10:09

As incertezas em relação aos rumos da economia têm aumentado a cautela dos consumidores em suas decisões de compra. Segundo a economista Viviane Seda, coordenadora da Sondagem do Consumidor da Fundação Getulio Vargas (FGV), gastos têm sido postergados diante da preocupação sobre o que vai acontecer com a economia e com o mercado de trabalho. Neste contexto, as eleições se apresentam como um componente adicional de incerteza.

Em agosto, as expectativas dos consumidores em relação à economia pioraram 3,9%, para o pior nível desde fevereiro de 2009. "Já é também uma preocupação com 2015, com quem vai entrar no governo, as atitudes que serão tomadas para mudar esse cenário de lentidão na economia", disse Viviane.

"Li uma frase que define o quadro: o custo de oportunidade de esperar é baixo. A incerteza é tão grande que empresários e consumidores estão preferindo adiar investimentos e consumo do que fazer isso neste momento", adicionou a economista, que espera queda na renda gerada pelo consumo das famílias, mensurada no âmbito do Produto Interno Bruto (PIB). Os dados serão divulgados na sexta-feira (29) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em agosto, a intenção de compra de bens duráveis registrou baixa de 1,2%, o quarto recuo consecutivo, para o menor nível desde fevereiro de 2012. O dado corrobora a avaliação de que os consumidores seguem cautelosos. "Provavelmente teremos efeitos ainda no segundo semestre. Óbvio que esperamos melhora, mas não será forte do jeito que se acreditava que ia ser. O Banco Central liberou os compulsórios, mas não vai ser de imediato que os consumidores vão começar a consumir, isso ainda vai demorar um pouco", advertiu Viviane.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.