i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
turismo

Crise e alta dos custos encolhem temporada de cruzeiros no Brasil

Como no caso das companhias aéreas, a desvalorização do real onera a operação dos cruzeiros no país

    • Agência O Globo
    • 05/06/2016 15:07
    MSC terá duas embarcações no Brasil | Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
    MSC terá duas embarcações no Brasil| Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

    A temporada de cruzeiros no litoral brasileiro vai encolher no próximo verão. Terá cinco navios – incluindo um que virá ao país, mas com saídas de Buenos Aires – contra dez na anterior, em um total de 250 mil leitos. Das quatro operadoras marítimas que atuavam em águas brasileiras, ficaram Costa e MSC. A Royal Caribbean e a Pullmantur, que integram o mesmo grupo, levaram seus transatlânticos para portos de maior demanda. Para ampliar a oferta no Brasil, a CVC negocia o fretamento de um navio.

    “A operação no Brasil custa de 30% a 40% mais que em portos de áreas como Caribe e China. São custos portuários, de combustível, praticagem, alimentos e bebidas, impostos e infraestrutura, que tiram a competitividade de nossos portos. As coisas se agravaram com a crise, que também freou a demanda”, explica Marco Ferraz, presidente da Clia Abremar, que reúne as empresas de cruzeiros.

    LEIA MAIS: Crise atinge até mesmo viagem de navio com Roberto Carlos

    Como no caso das companhias aéreas, a desvalorização do real onera a operação dos cruzeiros no país.

    “A maioria dos custos, como leasing, manutenção, combustível e salários, é em dólar. Os custos portuários são em reais, mas são caros e vêm sofrendo reajustes iguais ou maiores que a inflação. Enquanto isso, as tarifas estão praticamente congeladas”, diz Ferraz.

    Na temporada 2010/2011, 20 navios operaram no litoral do Brasil, levando para navegar perto de 800 mil passageiros. No mundo, a estimativa é fechar 2016 com 24 milhões de cruzeiristas, conta Ferraz. A China já bate 52 navios este ano, continua ele, e a Austrália, 36. Um terço da oferta de navios no mundo está concentrada no Caribe.

    “A nova classe média do Brasil representou um boom para o setor. Mas o custo para operar está alto, e a infraestrutura é ruim. Estamos tratando do assunto em Brasília. Enquanto não houver melhoria nos portos e nas tarifas, as armadoras não voltarão”, estima Edmar Bull, presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav).

    Costa

    A Costa terá dois navios, mas a capacidade foi reduzida de 53 mil para 38,7 mil passageiros, explica Renê Hermann, diretor da companhia para a América do Sul.

    “Caiu o volume de passageiros e tivemos de transformar a tarifa em reais. O Brasil chegou perto de um milhão de passageiros e, agora, está perdendo esse mercado. Este ano, a Costa passou de três para quatro navios operando na China. Em 2017, terá mais um, e há outros dois em fabricação para reforçarem a operação chinesa”, afirma Hermann.

    O Costa Pacifica, que terá saídas do Rio, tem roteiros a partir de R$ 2.709 por pessoa, na semana de Natal, em viagem de sete noites, passando por Ilhabela, Montevidéu e Buenos Aires.

    Com a MSC, não é diferente. A armadora investiu EUR 200 milhões na modernização e ampliação de quatro de seus navios. Seguirão para Cuba, Europa, Sul da África e China. Aqui, a empresa terá duas embarcações, mais uma com roteiros que partem de Buenos Aires e vêm à costa brasileira.

    CVC

    Luiz Eduardo Falco, presidente da CVC, conta que a operadora negocia fretar um navio para reforçar a oferta no verão. “Ainda não está fechado. A oferta de cruzeiros caiu demais no país. Mas, em tempos de dólar em alta, (os navios) são forte opção para quem quer viajar, pela relação custo/benefício, principalmente com minicruzeiros (roteiros de curta duração)”, diz.

    Segundo fonte próxima às negociações, a operadora deve fechar acordo este mês para trazer o Sovereign, da Pullmantur. A CVC ficaria responsável por comercializar as cabines.

    No Brasil, a CVC oferece opções como minicruzeiro de quatro noites, a bordo do Costa Mediterranea, com saída de Santos, a partir de R$ 1.309, mais taxas. Outra aposta do mercado brasileiro são os cruzeiros internacionais. A operadora tem pacotes com passagem aérea saindo do Rio para roteiros partindo de Miami rumo a três destinos no Caribe, desde R$ 2.856 por pessoa. A MSC também tem roteiros com aéreo para Cuba, por exemplo, a partir de R$ 3.929.

    Crise atinge até mesmo viagem de navio com Roberto Carlos

    As ondas da crise nos cruzeiros chegaram até mesmo ao “Emoções em alto-mar”, a tradicional viagem de navio que há 12 edições – a última aconteceu em janeiro – reúne fãs de Roberto Carlos. O projeto jogou a âncora. No ano que vem, será realizado pela primeira vez no resort Iberostar, na Bahia, entre os dias 15 e 19 de fevereiro.

    A opção pelo programa agora “de frente para o mar” tem os custos como problema central, segundo a assessoria de imprensa do Rei. No Iberostar serão cinco dias de estada, um a mais que no navio, com sistema all-inclusive, traslados ida e volta para o aeroporto de Salvador, a partir de R$ 3.990 – metade do valor cobrado no cruzeiro deste ano, a bordo do Costa Pacifica.

    Com o aperto no bolso, cresce a demanda por resorts no país, sobretudo aqueles cuja tarifa inclui tudo.

    “Os resorts tiveram alta de ocupação, com 86% em janeiro e fevereiro e 73% em março e abril. Em 2015, a ocupação foi de 58% porque há um problema com a baixa temporada, pela perda no setor corporativo”, diz Luigi Rotunno, presidente da Associação Brasileira de Resorts, que afirma ter aumento em hóspedes internacionais.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.