i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
DESENVOLVIMENTO

Das 15 obras de infraestrutura do PAC no Paraná, oito estão paradas

Execução orçamentária do programa mostra que mais da metade dos projetos de infraestrutura não recebeu desembolsos em 2015

  • PorTalita Boros Voitch
  • 12/10/2015 21:30
Restauração do Contorno Sul em Curitiba foi anunciada pela presidente Dilma Rousseff às vésperas da Copa do Mundo. Obras concluídas ajudariam a reduzir acidentes. | Antônio More/Gazeta do Povo
Restauração do Contorno Sul em Curitiba foi anunciada pela presidente Dilma Rousseff às vésperas da Copa do Mundo. Obras concluídas ajudariam a reduzir acidentes.| Foto: Antônio More/Gazeta do Povo

A menos de três meses para o fim do ano, oito das 15 obras de infraestrutura previstas para o Paraná no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) não receberam nem um centavo do governo federal. Entre elas, estão seis obras rodoviárias, uma no Porto de Paranaguá e uma na fronteira do estado com países vizinhos (veja no quadro ao lado).

R$ 402,1 mi

É o valor da execução orçamentária das obras previstas no PAC para o Paraná. A cifra representa metade dos R$ 802,2 milhões previstos.

Um exemplo é a obra de restauração do Contorno Sul, anunciada pela presidente Dilma Rousseff às vésperas da Copa do Mundo no Brasil como nova integrante do PAC, que deveria ter sido licitada ainda no ano passado. No orçamento de 2015, o projeto tinha dotação inicial de R$ 45,9 milhões, mas nada foi empenhado, liquidado ou pago. Até agora, a obra não saiu do papel.

O mesmo acontece com a construção da segunda ponte sobre o Rio Paraná, na divisa de Foz do Iguaçu com o Paraguai, que aparece com verbas reservadas desde o orçamento de 2008, tempos de PAC 1, mas ainda não avançou. Com R$ 63 milhões em dotação inicial na peça deste ano, não houve desembolsos e a obra permanece estacionada em fase de projeto.

Execução

Apesar dos números, a execução orçamentária das obras previstas no PAC para o Paraná chegou a R$ 402,1 milhões, cifra que representa metade dos R$ 802,2 milhões com dotação inicial reservados para o estado em 2015. O número é inflado principalmente por uma obra: a ampliação do Aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais, que deveria ter sido finalizada para a Copa do Mundo, mas só será terminada este ano.

Com R$ 128,4 milhões reservados no orçamento, o projeto foi quase integralmente pago em 2015 (R$ 111,9 milhões), segundo a Infraero. Excluindo a reforma do aeroporto da lista, os investimentos do governo federal no Paraná em 2015 ficam bem menores: R$ 30,9 milhões em obras, ou seja, apenas 10,6% do total efetivamente pago no orçamento.

Outras duas obras já concluídas – o entroncamento das BRs-476 e 153 (próximo à divisa com Santa Catarina) e a BR-153 entre Ventania e Alto do Amparo – possuem juntas R$ 24,5 milhões de ‘restos a pagar’ no exercício deste ano e também contribuem para aumentar o montante executado pela União.

Acúmulo de dívidas

Os números refletem o momento de ajuste fiscal pelo qual o país passa. Em maio, o anúncio do contingenciamento de R$ 69,9 bilhões no orçamento deste ano tirou R$ 25,9 bilhões do PAC. Dois meses depois, o governo decidiu bloquear mais R$ 8,6 bilhões, sendo que R$ 4,7 bilhões eram do programa.

A maior fatia do total aplicado no Paraná este ano (cerca de R$ 259,4 milhões) corresponde a ‘restos a pagar’, como são chamadas as dívidas de exercícios anteriores que ainda não foram quitadas. A quantia representa 64,4% dos desembolsos listados para o estado.

O mesmo acontece com a verba nacional. Dos R$ 27 bilhões desembolsados no exercício deste ano, R$ 19 bilhões são de ‘restos a pagar’, ou seja, 70% da totalidade investida na rubrica de 2015. De janeiro a agosto a execução geral do PAC foi a pior dos últimos quatro anos, ficando atrás apenas de 2011, de acordo com a ONG Contas Abertas.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.