i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Disputa na Esplanada

Decisão do TCU sobre gasto de R$ 6 bilhões deve atender Marinho e contrariar Guedes

  • PorGazeta do Povo
  • 01/12/2020 14:11
O ministro do Desenvolvimento, Rogério Marinho, e o ministro da Economia, Paulo Guedes
Rogério Marinho e Paulo Guedes, em foto de abril de 2019: ministros travam disputa sobre gastos públicos.| Foto: José Cruz/Agência Brasil

O Tribunal de Contas da União (TCU) deve permitir que despesas do governo empenhadas no orçamento desse ano sejam pagas apenas em 2021. A autorização deve sair da reunião do tribunal marcada para esta quarta-feira (2), segundo o jornal O Globo.

A medida, que joga para o orçamento do ano que vem os tecnicamente chamados “restos a pagar”, contraria uma determinação do Ministério da Economia, que permite empenhar apenas as despesas que serão executadas no mesmo ano. A equipe econômica vem tentando reduzir o total de despesas inscritas em restos a pagar.

A decisão do TCU vai permitir que o governo empenhe R$ 6,1 bilhões para 2021. O valor foi aprovado recentemente pelo Congresso e será destinado principalmente para obras. O major beneficiado será o Ministério do Desenvolvimento Regional, comandado por Rogério Marinho.

O ministro trava uma queda de braço com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e a nova determinação do TCU pode acirrar ainda mais os ânimos entre os dois. Quando o empenho de recursos é limitado ao que será executado no mesmo ano, há risco de que o Orçamento do ano seguinte não tenha previsão para continuar a obra.

A norma do Ministério da Economia é criticada também por outros ministros, pois dificulta a agenda do governo no Congresso. Neste ano, o governo já desembolsou R$ 106,9 bilhões em restos a pagar. O empenho, que é a primeira etapa da execução orçamentária, é uma garantia de que o governo vai pagar por um produto ou serviço.

Como esse dinheiro fica sob o teto de gastos, deixar restos a pagar para o ano que vem gera pressão sobre o próximo Orçamento, pois essa despesa vai concorrer com outros gastos, que terão de ser reduzidos para não superar o limite constitucional.

O TCU, que anteriormente emitiu uma recomendação que ampara a medida do Ministério da Economia, foi acionado pela Advocacia-Geral da União (AGU). A nova decisão prevista para esta quarta vai em sentido contrário e deve sinalizar que a recomendação não tem um alcance tão amplo como defende Guedes.

Segundo o presidente do TCU, Bruno Dantas, o governo tenta usar o tribunal para resolver seus conflitos internos. “Nosso papel é velar pela fiel observância da Constituição e das leis, especialmente a de responsabilidade fiscal. Infelizmente, o que temos visto em muitos casos é o governo tentar arrastar o TCU para arbitrar suas contradições internas, uma função que não é nossa”, afirmou ao "Globo".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.