i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Sustentabilidade

Dois anos de devastação

Fundador da consultoria SustainAbility prevê que crise vai encolher as práticas de responsabilidade social e ambiental das empresas. Para ele, as iniciativas de Barack Obama só terão resultado em um eventual segundo mandato

  • PorFernando Jasper
  • 22/11/2008 21:06
Para John Elkington, empresas usarão crise como desculpa para cortar orçamento | Fotos: Thiago Erikson/Divulgação
Para John Elkington, empresas usarão crise como desculpa para cortar orçamento| Foto: Fotos: Thiago Erikson/Divulgação

Brasil está perdendo o "vento da história"

Dono de um dos maiores potenciais hidráulicos do planeta, o Brasil nunca se preocupou em buscar alternativas às grandes hidrelétricas, que geram mais de 80% da eletricidade consumida.

Leia matéria completa

  • Confira o que alguns especialistas disseram durante a Eco Power Conference

A crise econômica mundial levará sete ou oito anos para ser superada e, pelos próximos dois anos, terá efeito devastador sobre as políticas de sustentabilidade das empresas. Apesar de todas as esperanças sobre o mandato de Barack Obama nos Estados Unidos – o presidente eleito já prometeu investimento anual de US$ 15 bilhões em tecnologias limpas, para gerar cinco milhões de empregos no setor –, mudanças mais sensíveis nesse cenário só serão percebidas em um eventual segundo mandato do democrata. A avaliação é do sociólogo britânico John Elkington, fundador da SustainAbility ("sustentabilidade", em inglês), consultoria de práticas de responsabilidade social e ambiental.

Em entrevista coletiva na sexta-feira, em Florianópolis, Elkington foi enfático ao comentar que tipo de atitude espera das grandes corporações em relação à crise. "Ela servirá de desculpa para que elas reduzam ou cortem o orçamento dos setores responsáveis por suas áreas ‘verdes’, inclusive demitindo profissionais. Já atravessei cinco recessões, e foi isso o que as empresas fizeram em todas elas", disse o autor de O guia do consumidor verde, livro lançado em 1988, época em que, segundo ele, as pessoas mal conseguiam pronunciar a palavra "sustentabilidade".

A forma como o consultor encara a recessão das maiores economias do mundo é radicalmente diferente da opinião de outros ilustres especialistas que durante a semana participaram da Eco Power Conference, fórum internacional de energias renováveis e sustentabilidade, realizado na capital catarinense. Essa postura mais cautelosa – ou talvez realista – de Elkington se apóia sobre 21 anos de assessoria a grandes corporações, entre elas Coca-Cola, Wal-Mart, Microsoft e Shell. Que, segundo ele, costumam ser pouco flexíveis na hora de alterar suas práticas socioambientais. Confira a seguir os principais trechos da entrevista:

Longa duração

"Vai demorar de sete a oito anos para que a crise seja superada. Então eu vejo duas escalas de tempo. A primeira dela é a do curto prazo. Por pelo menos dois anos, ela terá um efeito devastador sobre o cidadão e sobre a sustentabilidade nas empresas. Servirá de desculpa para que elas reduzam ou cortem o orçamento dos setores responsáveis por suas áreas ‘verdes’, inclusive demitindo profissionais. Já atravessei cinco recessões, e foi isso o que as empresas fizeram em todas elas. Essas são as más notícias."

Destruição criativa

"As boas notícias virão da segunda escala de tempo. Daqui a três ou cinco anos, devido ao desastre do modelo econômico em que estávamos baseados, líderes empresariais e políticos não saberão muito bem o que fazer. Nesse momento, a oportunidade para um ambiente de mudanças radicais será muito maior. Quando um ciclo econômico começa a acabar, como agora, há a destruição de inúmeros setores e empresas muito conhecidas. No setor financeiro, já vimos o que ocorreu com o banco Lehman Brothers, mas isso se repetirá em vários outros setores. Muitas companhias terão de abandonar seus hábitos de deter grandes reservas de dinheiro. Veremos aquisições e fusões, haverá uma mudança radical no mundo dos negócios."

Solução vem das bordas

"Muitas vezes é preciso um incêndio numa floresta para abrir espaço ao crescimento de novas plantas. Que não esperemos soluções vindas de grandes companhias, mas de empreendedores dos quais nunca ouvimos falar, que vêm das bordas, que poderão aproveitar as oportunidades da desestruturação do sistema. Gente que, naturalmente, não investia seus recursos na antiga ordem econômica. Aliás, é bom lembrar que, historicamente, as mudanças foram provocadas por pessoas que tinham idéias consideradas loucas."

"Infelizmente, estamos rumando para um futuro muito mais instável e insustentável do que aquele que conhecemos. Quando nasci, o mundo tinha 3 bilhões de habitantes, hoje tem 6,5 bilhões, e até 2050 terá 9 bilhões. Se observarmos o que ocorre com nosso clima, com nossos recursos hídricos, isso tudo está prestes a entrar em colapso. Eu acredito, sim, ser possível mudar radicalmente as organizações. Mas só quando elas estão próximas ao colapso."

O repórter viajou a convite da organização do evento.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.