i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
mercado

Dólar segue exterior e tem leve alta de 0,27% e se mantém acima de R$1,60

  • Porreuters
  • 22/08/2011 14:41

O dólar fechou em alta pelo terceiro dia seguido nesta segunda-feira, mantendo-se acima de 1,60 real em uma sessão de pouca volatilidade, em linha com o movimento no mercado internacional.

A moeda norte-americana subiu 0,27 por cento, a 1,6049 real para venda.

Enquanto o mercado fechava no Brasil, o dólar subia 0,17 por cento em relação a uma cesta com as principais divisas, anulando a queda do começo do dia.

As oscilações foram determinadas pela expectativa sobre a reunião anual de bancos centrais em Jackson Hole, nos Estados Unidos. Parte do mercado espera que o chairman do Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano), Ben Bernanke, use o discurso de sexta-feira para repetir o que fez no ano passado, quando sinalizou a adoção de mais estímulos monetários para fortalecer a economia.

Uma nova edição do chamado "quantitative easing" tende a desvalorizar o dólar no mundo inteiro, principalmente em relação a moedas ligadas a commodities, como a brasileira. Mas parte dos investidores é cética com essa possibilidade, citando a ausência de uma pressão deflacionária nos Estados Unidos.

O baixo volume de negócios desestimulou movimentos mais intensos no Brasil. O contrato futuro mais negociado na BM&FBovespa tinha 242 mil papéis transacionados até 17h, uma hora antes do fim do pregão. A média no mês é de 397 mil contratos por dia.

Para o operador de câmbio da corretora Interbolsa Moacir Marcos Júnior, a razão para a pouca liquidez são as recentes medidas do governo contra a queda do dólar, que impuseram uma taxação sobre operações com derivativos.

"Meu volume aqui caiu 70 por cento", afirmou o operador, em referência a operações de hedge de exportadores.

A taxa Ptax, calculada pelo Banco Central e usada como referência para ajustes de contratos futuros e outros derivativos de câmbio, fechou a 1,6009 real para venda, em alta de 0,31 por cento ante sexta-feira.

O BC realizou apenas um leilão de compra de dólares no mercado à vista, repetindo o padrão das três sessões anteriores. A taxa de corte foi de 1,6039 real.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.