i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
mercado

Dólar segue otimismo global e cai mais de 1% ante real

A moeda norte-americana caiu 1,12 por cento, para 1,761 real. É a menor cotação de fechamento desde 13 de julho

  • Porreuters
  • 22/07/2010 14:22

A alta expressiva das bolsas de valores e a renovação da confiança de investidores globais provocaram a queda de mais de 1 por cento do dólar ante o real nesta quinta-feira.

A moeda norte-americana caiu 1,12 por cento, para 1,761 real. É a menor cotação de fechamento desde 13 de julho.

No mês, o dólar agora tem queda de 2,38 por cento.

Dados corporativos e econômicos melhores que o esperado na Europa e nos Estados Unidos e uma revisão positiva da previsão de crescimento da produção da indústria chinesa impulsionaram o mercado global desde o começo do dia.

Enquanto as operações de câmbio se encerravam no Brasil, o dólar caía 0,97 por cento ante uma cesta com as principais moedas, como o euro, que se valorizava em cerca de 1 por cento.

As bolsas em Nova York e em São Paulo subiam mais de 2 por cento, e o índice Reuters-Jefferies de commodities tinha alta também de 2 por cento.

"Os dados da Europa hoje foram alentadores", resumiu Reginaldo Galhardo, gerente de câmbio da corretora Treviso, em referência a índices sobre atividade na zona do euro e varejo na Grã-Bretanha. "E nos balanços (corporativos) nos EUA, não tem ninguém com prejuízo."

Ele citou também o efeito que a alta do juro básico no Brasil, embora menor que o previsto pela maioria dos economistas, tem de atrair capitais para o país. Outros analistas, porém, já identificam um possível limite para a queda do dólar.

"Por ora, o piso de 1,75 (real) parece ser um obstáculo para o real", disse Win Thin, estrategista da Brown Brothers Harriman, ponderando que "o ambiente fortemente favorável ao risco está alimentando uma alta geral das moedas emergentes".

A equipe de análise do RBC Capital Markets também lembrou que "o posicionamento a favor da valorização do real está um pouco saturado, o que deixa a moeda exposta a um ajuste caso a aversão a risco aumente outra vez, os preços das commodities caiam ou haja algum ruído da campanha eleitoral".

De acordo com dados da BM&FBovespa, os estrangeiros tinham 7 bilhões de dólares em posições vendidas na moeda norte-americana nos mercados futuro e de cupom cambial.

No mercado à vista, os bancos tinham no fim de junho mais de 9 bilhões de dólares em posições vendidas. O BC deve atualizar esses dados na segunda-feira.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.