Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Escritório da Ebanx, em Curitiba. | LoveFreedomMadness/Divulgação
Escritório da Ebanx, em Curitiba.| Foto: LoveFreedomMadness/Divulgação

Conhecida por processar pagamentos de brasileiros, em reais, por produtos e serviços de empresas estrangeiras como AliExpress, Airbnb e Spotify, a fintech curitibana Ebanx está expandindo suas operações. Após sete anos focados na atuação cross-boarder, a empresa estreia no seu próprio quintal e passa a oferecer soluções de pagamentos para companhias brasileiras dentro território nacional.

As primeiras parcerias foram firmadas com o time de futebol Clube Athletico Paranaense (CAP) e com o coworking Aldeia, ambos também de Curitiba e que adotaram a ferramenta na semana passada. “Fizemos questão de estrear no quintal de casa”, conta Wagner Ruiz, cofundador e CFO da startup.

O Brasil será o primeiro entre os oito países nos quais o Ebanx atua a receber a novidade -– em 2020, a previsão é de que mexicanos, colombianos, chilenos e argentinos também possam pagar por serviços locais em suas próprias moedas.

Segundo o Ebanx, o serviço será aberto para alguns parceiros selecionados pela startup numa primeira fase e chegará ao mercado como um todo no segundo semestre.

+LEIA TAMBÉM: Empreendedores locais criam fundo de R$ 6 milhões para investir em startups de Curitiba

Atuação local fez Ebanx voltar às raízes

Ruiz conta que para pôr em prática a ideia de atuar localmente nos mercados onde já opera, a startup se desmembrou: a Ebanx continua voltada a transações para empresas estrangeiras, enquanto uma nova empresa, a Ebanx Pagamentos, foi criada para o mercado local.

“Ainda que sejamos uma startup, nós já temos cerca de 500 funcionários e um processo de decisão já é um pouco demorado (...) No fim do ano passado entendemos que a gente estava não só caminhando bem com a operação internacional, mas que a máquina toda poderia continuar operando, sem prejuízo, numa segunda iniciativa. A gente decidiu, então, montar uma outra empresa para ganhar agilidade ”, explica Ruiz.

A decisão foi tomada em novembro e exigiu o deslocamento de dez dos colaboradores mais preparados do Ebanx para a nova missão. Em três meses, a nova empresa estava de pé. Na prática, a criação do Ebanx Pagamentos foi uma volta às origens, ao processo de pensar, novamente, como startup, no sentido de identificar oportunidades em um novo campo de atuação e entrar nele com tudo.

+LEIA TAMBÉM: Startup que não olha mercado global não tem vez; é preciso vencer o complexo de vira-lata

O Ebanx tem recebido cerca de 250 contatos por mês de companhias buscando os serviços da fintech em território nacional. Segundo Ruiz, empresas de ramos diferentes e nos quais o Ebanx entende que pode gerar um grande impacto em termos de inovação estão sendo selecionadas para essa primeira fase da atuação da startup no país. Não é só o pagamento digital em si que está sendo ofertado. Novos produtos estão sendo pensados e criados em conjunto com os novos clientes.

No caso do CAP, o Ebanx está processando os pagamentos do programa Sócio Furacão. No momento de pagar pela associação ao clube, os sócios torcedores usarão as soluções de pagamento da fintech.

“Um dos pilares da marca Club Athletico Paranaense é a inovação. Contar com o Ebanx e sua experiência com pagamentos em alguns dos maiores e-commerces do mundo é um passo importante para aprimorar a relação dos nossos torcedores com o clube”, afirma Vinicius Grein, diretor de inovação do CAP.

Fundada em 2012, a Ebanx foi listada pela consultoria Distrito como uma das startups brasileiras cotadas a virar unicórnio, ou seja, a ter valor de mercado superior a US$ 1 bilhão. No geral, o Ebanx já ajudou mais de 45 milhões de consumidores latino-americanos a acessarem produtos e serviços globais de mais de 1 mil sites internacionais.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]