i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Preços

Efeito psicológico da alta do feijão pode pressionar ainda mais a inflação

Escalada no preço do produto, eleito o vilão da inflação de junho, assusta, mas não ao ponto de indexar o custo de outros produtos ou serviços

    • São paulo
    • Estadão Conteúdo
    • 10/07/2016 02:00
    Quebra de safra por motivos climáticos elevou o preço do feijão nas gôndolas dos supermercados. | Daniel Castellano/Gazeta do Povo
    Quebra de safra por motivos climáticos elevou o preço do feijão nas gôndolas dos supermercados.| Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo

    Há duas preocupações legítimas por trás dos altos preços do feijão nas prateleiras dos supermercados, afirma o coordenador do Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) da Universidade de São Paulo (USP), André Chagas. A alta conjuntural do preço do grão, eleito símbolo da inflação atual, decorrente da quebra de safra por motivos climáticos, e a inflação estrutural que a escalada do preço do produto aciona na esteira da reação defensiva dos consumidores ao seu poder de compra. Essa reação indexa ainda mais a economia.

    É para a inflação estrutural que as ações e comunicações do Banco Central (BC) estão voltadas quando seus dirigentes mantêm juros e vêm a público reforçar o discurso de que o Comitê de Política Monetária (Copom) tomará todas as medidas necessárias para convergir a inflação ao centro da meta (4,5%) em 2017, afirma Chagas. “O impacto do aumento do preço do feijão (ou qualquer outro produto da cesta diária do consumidor) é mais psicológico do que qualquer outra coisa”, diz o coordenador do IPC-Fipe.

    “Mãos de tesoura” no discurso, Temer é “mão aberta” na prática

    Presidente interino assumiu com discurso de austeridade, mas distribuiu bondades. Medidas de ajuste fiscal ainda estão na intenção

    Leia a matéria completa

    O pedreiro que vai ao supermercado e constata aumento de 90% a 100% no preço do feijão, segundo o coordenador do IPC-Fipe, não espera muito para reajustar o preço da sua mão de obra pelo porcentual do aumento do feijão, do arroz, da carne, etc. O mesmo faz a cabeleira, o eletricista, e tantos outros profissionais prestadores de serviços. E as altas se difundem pela economia, estabelecendo o que os economistas chamam de efeito de segunda ordem, contra o que o BC procura lutar. “Nesse sentido, o que os dirigentes do BC querem em primeiro lugar não é levar a inflação à convergência, mas levar a expectativas convergirem em direção ao centro da meta”, explica Chagas.

    “Contrafilé com fritas”

    Para mostrar que há uma celeuma exagerada em torno do preço do feijão e seu respectivo impacto sobre a inflação, a Fipe montou com a ajuda de uma nutricionista um prato para cada dia da semana com os pesos de cada ingrediente no custo prato. Na composição do “Contrafilé com fritas”, por exemplo, o feijão exerce um peso de 7% na comparação com os demais insumos. “Se imaginarmos que um contrafilé com fritas é vendido a R$ 15, o peso do feijão passa a ser de 3%”, calcula Chagas.

    Em valores, considerando a quantidade de produtos que compõem o prato, o feijão é o terceiro item mais caro neste cardápio. O contrafilé, na proporção de 150 gramas, em junho, custava R$ 4,15, seguido pela batata, na quantia de 75 gramas a R$ 0,46. Então vem o feijão (45 gramas), a R$ 0,42.

    O coordenador ressalta que os pratos foram compostos dentro dos parâmetros domésticos, excluindo custos com conta de luz, água, aluguel, despesas com funcionários e impostos, entre outros encargos. O custo total para se preparar um filé com fritas em casa no mês passado era de R$ 5,81.

    No caso filé de frango à parmegiana, o feijão nem aparece na lista de ingredientes. Neste prato, as 35 gramas de mussarela a R$ 1,21 pesam mais que o filé de frango de 150 gramas a um preço de R$ 0,84. O molho de tomate, na quantidade de 55 gramas, entra no cardápio por R$ 0,58. Em junho, o custo para a elaboração deste prato, de acordo com os cálculos da Fipe, era de R$ 4,14.

    Feijoada

    Até mesmo na feijoada – neste caso a base é o feijão preto, que custa um terço do carioquinha – o feijão não exerce o maior peso A porção de 45 gramas custa R$ 0,42, o quinto na lista, atrás da costelinha suína R$ 0,93 por 43 gramas, couve (80 gramas) a R$ 0,74, carne seca (23 gramas) a R$ 0,72 e paio (23 gramas) a R$ 0,53. O custo total para a composição de um prato de feijoada em casa em junho ficou em R$ 5,65.

    Outro prato no cardápio da Fipe que não leva feijão e mesmo assim seu custo de preparação não se diferencia muito do arroz com feijão, contrafilé e fritas é a macarronada. Essa aparece no cardápio das famílias pelo menos duas vezes na semana: nas quintas-feiras e domingos. Os maiores custos na composição do prato não são o macarrão espaguete, cuja porção de 100 gramas custa R$ 0,60. É o molho de tomate (170 gramas) a R$ 1,80. Em seguida vem o queijo ralado (15 gramas) a R$ 1,58, seguido pela carne moída acém (50 gramas) a R$ 0,82.

    No filé de pescada branca com purê e legumes, o maior peso fica para a pescada (135 gramas) a R$ 2,46 em valor de junho. O queijo ralado (6,6 gramas) custava R$ 0,70 e a batata (95 gramas) a R$ 0,58. É outro prato que não leva feijão e cujo custo de preparação em casa fica em R$ 5,02.

    O feijão aparece no topo da lista dos itens mais caros só na sopa de feijão. Neste prato, são usadas 100 gramas do grão a um custo de R$ 0,94 por prato. O segundo maior peso vem do alho (10 gramas), a R$ 0,44, e o terceiro vem das 10 gramas de bacon que vão na sopa, a R$ 0,24.

    “O risco da alta de preços não é o conjuntural e sim o estrutural”, afirma Chagas. Ele acredita que pode se repetir agora o que ocorreu em 2008, quando o preço do feijão saiu de R$ 2 o quilo para R$ 9 e quando caiu foi para R$ 6 o quilo. E agora, de acordo com o coordenador da Fipe, há ainda a pressão da perda de área de plantio do feijão para a soja.

    Mas de modo geral, segundo Chagas, o susto com o preço de alguns produtos em determinados momentos tem mais a ver com a percepção da inflação pelo consumidor, por conta de uma variação muito grande de um item com muito peso, mesmo que a inflação agregada não esteja tão elevada.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.