Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE

Planejamento

Estratégias iniciais são cruciais para o sucesso (ou o fracasso) de um negócio

Ações rápidas que visam o longo prazo ajudam a empresa a funcionar com segurança e boas previsões

  • Larissa Fanes especial para a Gazeta do Povo
Sirène: ações de curto prazo impactaram resultados ao longo do ano. O bar aberto  por Afonso Natal Neto, Lucas Muller (foto) e Raphael Umbelino faturou R$ 800 mil  no último ano. | Henry Milleo/Gazeta do Povo
Sirène: ações de curto prazo impactaram resultados ao longo do ano. O bar aberto por Afonso Natal Neto, Lucas Muller (foto) e Raphael Umbelino faturou R$ 800 mil no último ano. Henry Milleo/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Empreendedores em geral - sejam aqueles que estão concebendo um projeto ou os que passaram dessa fase e já estão com as ideias na prática – estão acostumados a fazer planos de negócio, de ação, elaborar metas e estratégias. Isso é importante para desenhar uma perspectiva do negócio e saber a melhor maneira de conduzir o projeto. Mas quando a ideia é colocada na prática e precisa ganhar mercado, sai na frente quem executar ações que, além de serem eficazes para o momento, garantem bons resultados a longo prazo.

Firmar parcerias, alinhar os funcionários com o propósito da empresa, conquistar os clientes através do atendimento e relacionamento e lançar promoções são medidas que trazem reconhecimento para uma marca. Com isso o empreendedor posiciona sua ideia perante o mercado e então pode trabalhar para que ela se consolide e garanta seu espaço.

No bar Sirène, essa estratégia rendeu bons frutos. Os amigos Afonso Natal Neto, Lucas Muller e Raphael Umbelino levaram sete meses para planejar qual negócio funcionaria no espaço que adquiriram, na rua Trajano Reis, no centro de Curitiba. Em janeiro de 2016, a casa abriu suas portas oferecendo para o público um único prato: fish and chips, uma comida típica de Londres.

Por trabalharem com um produto especializado e que não era tão conhecido pelos clientes, os sócios trabalharam outras formas de atrair quem frequentava a região. Firmaram parceria com uma fábrica de chope local e adaptaram a receita para o gosto brasileiro. Assim, quem era atraído pelas promoções de cerveja acabava ficando pela qualidade do produto. Por fim, os donos investiram na comunicação com o público, que ajudou a divulgar o local. A estratégia trouxe bons resultados: o faturamento do Sirène começou em R$ 30 mil e dobrou duas vezes ao longo do ano.

Atenção e planejamento

Apesar dessa movimentação parecer orgânica, ela teve de ser muito bem planejada para dar certo. Os sócios, que no início eram os únicos funcionários do bar, já tinham novas contratações e parcerias em mente. Conseguiram fidelizar o fornecedor dos peixes e contrataram mais atendentes, um zelador e um profissional de marketing digital. “A qualidade e o preço justo deram o up para o bar. Agora, investimos nas redes sociais para ter um feedback rápido e melhorar o atendimento, que sempre foi essencial”, explica Neto.

Esse planejamento feito no início dos negócios demanda organização de recursos, procedimentos e tempo. Segundo Deise Hofmeister, coordenadora da pós-graduação em Empreendedorismo e Desenvolvimento de Novos Negócios na Universidade Positivo, a atenção necessária para o momento antes de abrir as portas deve ser redobrada quando o negócio começa a funcionar. “O ritmo de trabalho da empresa tem que ser alto. Quem dita as regras é o mercado, depende de demanda e para ela crescer a pessoa precisa estar ali”.

Rede amiga

Para Edith Viana Alves, consultora do Sebrae em empreendedorismo, as parcerias com fornecedores, mentores e consultores ajudam a planejar e ajustar o negócio. “Às vezes o dono faz tudo, aí não tem tempo de cuidar da gestão, porque está focado no operacional. A rede de contatos é importante para se atualizar sobre a área, diversificar e até expandir o negócio”, afirma.

E foi com uma parceria que o Whatafuck conseguiu consolidar seus planos de expansão. O sócio da hamburgueria, Daniel Mocellin, conta que o bom relacionamento com fornecedores garante vantagem estratégica para a casa. “Temos prioridade para receber os produtos. Isso trouxe segurança para abrir uma nova unidade”. Para ele, a segunda loja é tratada como um novo negócio, mas o planejamento aproveita os aprendizados de quem já conhece a empresa.

Termômetro

As especialistas alertam que, muitas vezes, o projeto tem que ser reajustado. “O controle da gestão, tudo que você aprende a acompanhar desde o começo, é o que ajuda você a ver onde pode adequar o plano para melhorar seus resultados”, ressalta Alves. As medidas de curto prazo são simples e ajudam o empreendedor nesse acompanhamento. Promoções e análise de redes sociais geram um estudo sobre o cliente. Parcerias com fornecedores podem baratear custos e trazem conhecimento sobre o mercado.

Esses resultados apontam o perfil do negócio e facilitam a vida do empreendedor no decorrer da atividade. Um dos termômetros que podem indicar a necessidade de ajustar os planos é a lucratividade, que deve aumentar ao longo dos meses, visando o break even (quando a empresa atinge o equilíbrio financeiro). Outro indicador é a movimentação, que mostra se a empresa foi aceita ou não. “O negócio pode não ter grande rentabilidade, mas está sempre cheio, mais do que a concorrência. É um bom sinal. Oferecer um serviço melhor pode sair mais caro, mas atrai as pessoas”, explica Hofmeister. Nesse caso, a medida é o relacionamento com o cliente.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE