i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
POLÍTICA INDUSTRIAL

Empresários pedem avanços na desoneração da folha

Segundo o presidente da CNS, Luigi Nese, a desoneração para alguns setores incluída na nova política industrial, anunciada na semana passada, já foi um grande avanço do governo Dilma Rousseff

  • PorAgência Estado
  • 10/08/2011 15:35

Os empresários que participaram nesta quarta-feira (10) da reunião do Grupo de Avanço da Competitividade (GAC) pediram ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, a ampliação da desoneração da folha de pagamento para todos os setores. Segundo o presidente da Confederação Nacional de Serviços (CNS), Luigi Nese, a desoneração para alguns setores incluída na nova política industrial, anunciada na semana passada, já foi um grande avanço do governo Dilma Rousseff. Mas ele ponderou que é preciso ampliar a desoneração para todos os setores da economia.

A CNS avalia que é possível fazer essa desoneração por meio da criação de uma nova contribuição sobre movimentação financeira, ou seja, uma nova CPMF para compensar as perdas de arrecadação. Nese argumentou, no entanto, que o trabalhador não sairá perdendo, porque a proposta de criação dessa nova CPMF viria acompanhada de uma redução na contribuição que os trabalhadores pagam ao INSS. Hoje essa contribuição tem alíquota entre 8% e 11% sobre o salário. Pela proposta da CNS, a alíquota caíra para um patamar entre 7% e 10%. Em contrapartida, seria criada uma alíquota de 0,85% sobre as movimentações financeiras para essa nova CPMF.

Nese disse que, com esse modelo proposto, seria possível ampliar a desoneração para todos os setores da economia. "É um equívoco achar que o trabalhador vai pagar a conta", afirmou. O presidente da CNS acredita que, de qualquer forma, a desoneração setorial, se der certo no modelo piloto anunciado para alguns setores, já representará uma grande mudança.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.