i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Crédito

Endividamento das famílias é o maior desde 2016. E a situação pode piorar

  • PorVandré Kramer
  • 04/09/2019 19:00
Endividamento das famílias é o maior desde 2016. E a situação pode piorar
| Foto:

O endividamento das famílias brasileiras chegou, em julho, ao nível mais elevado desde abril de 2016. Dados do Banco Central mostram que as dívidas com o sistema financeiro nacional correspondem a 44,3% da renda acumulada em 12 meses.

A tendência é de que os números aumentem ainda mais nos próximos meses. Dois motivos explicam isto, aponta Luís Afonso Lima, gerente de análise de investimentos da Mapfre Investimentos: o bom, segundo ele, é a expansão do crédito imobiliário, e o ruim, é a economia desaquecida, que dificulta avanços no mercado de trabalho.

“Estamos em um bom momento para o setor imobiliário, com estoques menores, vendas em alta e um maior número de lançamentos”, diz. Os dados mais recentes da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) mostram, no país, um crescimento de 4,2% nos lançamentos no primeiro trimestre de 2019, comparativamente a igual período do ano anterior. As vendas aumentaram 9,7%.

Por outro lado, a economia desaquecida - o PIB nos 12 meses encerrados em junho cresceu 1%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) - inibe a reação do emprego com carteira assinada e a melhoria da renda.

Nos seis primeiros meses do ano, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), foram criados 374,4 mil postos de trabalho formais no país, 8,8% a mais do que na mesma época de 2018. Mas a taxa de redução teve um pequeno crescimento, passando de 12,4%, em junho de 2018, para 12%, em 2019. E a renda média real teve uma pequena queda de 0,3%.

“Tão cedo esse cenário não vai mudar. O mercado de trabalho é o último segmento da economia a reagir”, aponta Lima.

Juros seguem elevados

Esse cenário coincide com a manutenção dos juros cobrados pelas instituições financeiras em patamares próximos aos de maio do ano passado, quando a taxa Selic - balizadora dos juros - estava em  6,5% ao ano. Atualmente, ela está em 6% e o custo do dinheiro cobrado dos clientes é de 25% ao ano, de acordo com o BC.

Um dos fatores que dificultam a queda no juros é a manutenção em níveis elevados do spread bancário (a diferença entre a taxa cobrada dos clientes e a de captação dos recursos pelas instituições financeiras). Atualmente, ela está em 19,7 pontos percentuais, o maior nível desde março de 2018.

Questões de oferta de crédito podem explicar este fenômeno, já que a inadimplência, um dos principais componentes do spread, está estável em torno de 3% da carteira”, afirma o analista da Mapfre Investimentos. Dados do Banco Central mostram que 72% da carteira de crédito estava nas mãos de cinco instituições financeiras no final do ano passado.

Segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), o juro brasileiro é mais elevado do que nos outros países porque os custos para se emprestar são mais elevados. “Custos como a taxa da inadimplência, a dificuldade judicial de recuperar os empréstimos que não são pagos, os custos operacionais e administrativos e o dos impostos.”

7 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 7 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • A

    Afonso Celso Frega Beraldi

    ± 0 minutos

    Precisa acabar urgentemente com duas coisas no Brasil: JUROS COMPOSTOS e CORREÇÃO MONETÁRIA. Ninguem resiste a isso. Qualquer país decente do mundo nao tem essas excrescências financeiras.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • E

      Emerson

      ± 13 minutos

      Qual o milagre fazer para conseguir manter as contas em dia diante de um cenário onde tudo sobre, desde a conta do telefone até da maior prestação e o salário cada dia mais desvalorizado e o dinheiro sem o respectivo valor? Sinceramente a meu ver só os políticos, o pessoal da farda e do martelinho de ouro da justiça estão conseguindo fechar as contas em dia.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • J

        jonas prates

        ± 38 minutos

        expansão onde? setor produtivo, pena! pra se conseguir algo decente, tem que oferecer 300% de garantias; o crédito mencionado é o especulativo! do cartão de crédito, do cheque especial, a juros extorsivos, onde o governo é o responsável pelas desgraças do endividamento familiar! são coniventes com os bancos, ao meu ver, ladrões!

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • W

          William Bones

          ± 56 minutos

          Ter dívida é diferente de estar inadimplente. Que bom que existem mais endividados, sinal que o povo está acreditando no governo e finalmente comprando seus imóveis, carros, realizando seus sonhos. Só não se tornem inadimplentes por favor, tenha responsabilidade com suas dívidas.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • M

            Marcos Ctba

            ± 1 horas

            o endividamento para credito imobiliario é investimento longo prazo, pois juros são menores e para consumo de bens é endividamento. como carros, vestuarios e como juros são maiores só piora , o povo vai as compras e não se planeja com os gastos. Tem que gastar o que recebe, gastar o que pode e se não recebe não gasta. Uma politica de empregos com menores custo de encargos trabalhistas é alternativa mais viável, pois contratar no Brasil tem o custo é exagerado.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • F

              FELIPE FERREIRA DOMINGUES

              ± 2 horas

              É chato e triste ver como o Brasileiro se endivida. Uma economia aquecida é a hora de montar seu montante de resguardo, reduzir seu padrão de vida, e se preparar pra dentro de um ou dois anos ter capital acumulado pra se tornar investidor. Mas o povo quer carro e casa de qq maneira.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • P

                Pensatore

                ± 3 horas

                Um dos mais graves problemas do país é a cumplicidade do Governo e de políticos com o mais elevado juros do mundo para o consumidor, praticado por bancos e operadoras de cartão, que lucram bilhões de reais a cada trimestre cobrando juros de 300% ao ano. Essa prática prejudica a economia, travando o consumo, produção e emprego. Além de diminuir a poupança e investimentos.

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                Fim dos comentários.