Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
 |
| Foto:

Quem faz

Ano de fundação: 1974

Em que área atua: Alimentação

Onde atua: No Brasil, nos estados do Paraná, Santa Catarina e Bahia, e no Paraguai.

Quem são os donos: Cesar, Fabio e Rossa­­­na Brecailo, filhos do fundador Luiz Gonzaga Brecailo

Quantos funcionários: 500

Quanto espera crescer em 2013: 15%

Por que é bem feito no Paraná: Foi uma das precursoras do cachorro-quente em Curitiba e no momento passa por um processo de internacionalização de franquias no Mercosul.

Outros países fazem parte dos planos da rede

A mescla entre tradição e inovação tem sido a marca dos atuais diretores do Au-Au. O cardápio inclui o famoso cachorro-quente e ainda saladas, sobremesas e tantos outros pratos. Assim como a formação do mix de produtos e a adoção do modelo de franquias, a entrada no mercado do Paraguai se deve à descoberta de novas demandas de mercado. "Fomos procurados por empreendimentos de Salto del Guairá, na fronteira com o Paraná, e vimos uma oportunidade para começar o processo de internacionalização em uma região fronteiriça", conta Cesar.

A unidade paraguaia está sendo uma escola para a rede. O contrato entre franqueador e franqueado foi adaptado à lei do país, com regras específicas para a operação fora do Brasil. Os planos para uma internacionalização existem, mas serão executados com a mesma cautela do processo de franqueamento.

Além do Paraguai, o Au-Au tem nome registrado também na América do Norte e pretende obter registro no continente sul-americano. "No momento certo vamos internacionalizar. Hoje não está datado, é um projeto futuro, mas sem dúvida queremos expandir para fora. Sempre com cautela, não queremos dar o passo maior que a perna", ressalta Cesar.

  • Cesar Brecailo, filho do fundador do Au-Au, Luiz Gonzaga Brecailo, que comanda a rede com os irmãos Fabio e Rossana
  • Produção de cachorros-quentes: rede ajudou a popularizar a vina em Curitiba
  • Cachorro-quente é o ponto alto da rede, que hoje investe em outros produtos para diversificar o cardápio
  • Cerca de 500 funcionários trabalham nas 24 unidades da rede
  • Salsicha sendo grelhada para uma nova versão de cachorro-quente
  • Rede hoje está presente em três estados brasileiros e no Paraguai
  • Au-Au não é só cachorro-quente: empresa busca acompanhar demanda dos consumidores e oferecer novos pratos, como vários tipos de salada
  • Au-Au registrou o maior aumento de unidades com a adoção do modelo de franquias
  • Empresa projeta um crescimento no faturamento de 15% neste ano sobre o ano anterior
  • Cerca de quatro mil pessoas passam pelas 24 unidades do Au-Au em funcionamento, uma média mensal de quase cem mil clientes
  • Cachorro-quente foi o primeiro produto a ser vendido pelo Au-Au e hoje continua sendo o carro-chefe da rede
  • Unidade da Alameda Doutor Carlos de Carvalho: primeira loja da rede, que teve que se adaptar a mudanças na lei municipal que proibia a venda de lanches em carrinhos na rua
  • Carrinho de cachorro-quente foi o primeiro formato da rede, que hoje expande pelo modelo de franquia

Se hoje é comum comer cachorro-quente em diversas esquinas de Curitiba, muito disso se deve ao radialista Luiz Gonzaga Brecailo, fundador do Au-Au, que popularizou a famosa vina na capital. A rede de lanchonetes, fundada em 1974, começou com um carrinho de cachorro-quente e hoje já rompe a fronteira brasileira: desde o ano passado a empresa está no Paraguai.

SLIDESHOW: Confira as fotos da empresa

Chegar a esse momento de expansão internacional não foi fácil. Tudo começou na década de 1970, quando o radialista de Londrina viajou ao Rio de Janeiro e reparou que por todo o lado havia trailers que vendiam lanches. Percebeu ali uma oportunidade, porque o modelo era inédito em Curitiba. Resolveu investir no formato e em 1974 o primeiro carrinho de cachorro-quente saía às ruas da cidade.

Em pouco tempo, 25 barraquinhas se posicionavam em locais estratégicos da capital. Na década de 1980, entretanto, uma lei municipal que proibia o comércio de alimentos em carrinhos veio como um baque para o negócio. Poderia ser o fim da empresa naquela ocasião. Mas não foi. Brecailo rapidamente se adaptou às novas circunstâncias e abriu sua primeira loja na Rua Carlos de Carvalho, no Centro de Curitiba.

Mudava, mais uma vez, o hábito de comer cachorro-quente na cidade: antes, os carrinhos iam até os clientes; hoje, eles vão até as 24 unidades – e vão em peso. Cerca de 100 mil pessoas passam todos os meses pelas unidades espalhadas pelos estados do Paraná, Santa Catarina e Bahia, além da unidade de Salto del Guairá, no Paraguai.

Com a morte do fundador, há 15 anos, os filhos do radialista assumiram o controle da empresa. "Demos continuidade a seu trabalho realizando coisas que ele já planejava, como lançar novos produtos e abrir outras lojas", conta Cesar Brecailo, que comanda a rede com os irmãos Fabio e Rossana.

A nova gestão passou então a planejar a abertura de novas unidades na capital. "Havia quatro lojas até meu pai falecer, todas próprias. Quando assumimos, começamos uma 'expansãozinha', em Curitiba, com mais duas lojas", lembra Cesar. A receita do rápido crescimento da empresa, entretanto, contou com uma pitada de ousadia: há três anos, os diretores adotaram o modelo de franquias para seguir expandindo.

"Como não tínhamos como gerenciar lojas em outras cidades, ficou mais fácil expandir com as franquias. Mas não foi uma decisão fácil, estávamos muito receosos em dar esse passo. A procura por pessoas interessadas em abrir uma franquia do Au-Au era grande e sempre dizíamos não. Achávamos que não estávamos prontos, mas hoje estamos satisfeitos com o resultado", avalia Cesar.

Ao dizer sim aos interessados, o Au-Au sextuplicou o número de unidades, passando de quatro, no início dos anos 2000, para 24 lojas – 12 delas próprias. Há mais uma unidade, com franquia já vendida, que abrirá em Ponta Grossa no primeiro semestre do ano que vem.

Au-Au

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]