Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Conselhos de gestão contam com presença ativa dos funcionários. |
Conselhos de gestão contam com presença ativa dos funcionários.| Foto:

No início dos anos 2000, a Volvo do Brasil já era uma empresa admirada pela qualidade de seus ônibus e caminhões e por suas convicções no estilo sueco, que colocam a segurança em primeiro lugar e cultivam o respeito pelo indivíduo. Isso não significava, no entanto, que a companhia não precisava de uma “sacudida”. O respeito do consumidor não era uma garantia de que a gestão da empresa estava pronta para ser sustentável no longo prazo.

VÍDEO: Conheça um pouco mais sobre a empresa

Novo modelo deu liberdade para a inovação

Um dos principais focos da transformação na gestão da Volvo nos últimos 15 anos foi o estímulo à inovação. Hoje a companhia tem um modelo de melhoria contínua que permite a qualquer funcionário sugerir e aplicar inovações de maneira ágil. Neste ano, foram mais de 50 mil mudanças implementadas. São dezenas de alterações por dia.

Leia a matéria completa

Usando uma metodologia de autoavaliação da Fundação Nacional da Qualidade, o Modelo de Excelência da Gestão (MEG), a filial brasileira da Volvo descobriu que sua administração ainda estava longe do que havia de melhor. Em uma escala de mil pontos, ficava na casa dos 300. A partir desse alerta, a empresa passou por um processo longo de melhoria dos processos internos e dos relacionamento com todos os públicos que circundam seu negócio.

Em grande parte, é por esse esforço de mais de uma década que a Volvo foi escolhida a vencedora no Prêmio Bem Feito no Paraná 2015, uma iniciativa da Gazeta do Povo em parceria com a Escola de Comunicação e Negócios da Universidade Positivo. Mais um entre os tantos prêmios que a direção da empresa recebeu neste ano, entre eles o terceiro Prêmio Nacional da Qualidade.

O diagnóstico do início dos anos 2000 fez com que a Volvo encarasse problemas comuns a grandes companhias, como departamentos que conversavam pouco, falta de documentação de processos, foco difuso na busca de inovações e lacunas na comunicação com o público interno.

“Entendemos que era preciso medir efetivamente a qualidade da gestão”, diz Carlos Morassutti, vice-presidente de RH e assuntos corporativos da Volvo. “Era necessário trabalhar com todos os públicos e incorporar a cultura da melhoria contínua.”

Conselhos

O desafio fez com que a empresa acentuasse a participação dos funcionários nas decisões, com a criação de conselhos de gestão. Eles são divididos por temas e recebem missões. A partir dos conselhos são ativadas as áreas que podem contribuir para determinada melhoria. Assim, a criação de soluções se espalha pela Volvo, sem o isolamento de departamentos.

“A participação nos conselhos é uma forma de desenvolvimento pessoal muito importante na Volvo. Ela permite a interação entre áreas e gerações diferentes de funcionários”, explica Morassutti.

A empresa também se preocupa em dar condições para que seus 3,5 mil funcionários se sintam estimulados a lidar com o desafio constante de agregar mais valor aos produtos e reduzir custos. “Acreditamos que os resultados aparecem quando as pessoas sentem que podem dar o melhor e que são beneficiadas por isso”, completa.

Busca pela excelência credencia Volvo para bi-campeonato no Prêmio Bem Feito no Paraná

Companhia de origem sueca que tem sua sede brasileira em Curitiba desenvolve desde os anos 2000 um modelo de gestão voltado para a melhoria contínua.

+ VÍDEOS

O “jeito Volvo” de trabalhar

O norteador do modelo de gestão de excelência na companhia é chamado “The Volvo Way”, uma espécie de manual com a missão da empresa. “Energia, paixão e respeito pelo indivíduo” é o mote central do documento, que ressalta a necessidade de se criar valor para o cliente para se criar valor para o acionista. Na prática, o “jeito Volvo” envolve apreço pela qualidade, participação forte na comunidade e envolvimento de todos os funcionários.

Um exemplo de como isso funciona é a forma como a companhia ficou conhecida pela segurança de seus produtos. Além de fabricar caminhões com mais tecnologia, a Volvo persegue ativamente a educação de motoristas em um dos programas de segurança no trânsito mais conhecidos do mundo. E essa busca por um trânsito mais seguro envolve todos os funcionários, que são instruídos sobre o melhor comportamento ao dirigir.

“Queremos que as pessoas incorporem nossos propósitos também para suas vidas”, resume Carlos Morassutti, vice-presidente de RH e assuntos corporativos. “Não há pessoa que faça de um jeito em casa e de um jeito diferente no trabalho.”

Com o tempo, outros temas foram entrando na pauta da companhia, como preservação do meio ambiente e ética e diversidade. Dentro dos limites da fábrica, foi montado um centro ambiental para trabalhos educativos e recentemente foi realizada uma semana para um debate sobre ética entre os funcionários. São os pontos de partida para um movimento de mudança que a empresa quer levar para fora de seus muros.

A empresa

A Volvo chegou ao Brasil em 1977, quando começou a construção da fábrica de Curitiba, inaugurada em 1979. Ali são produzidos caminhões pesados e semi-pesados, chassis de ônibus e motores. A companhia tem também uma fábrica de máquinas para construção em Pederneiras (SP). Em Curitiba são cerca de 3,5 mil funcionários.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]