i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Setor elétrico

Estado quer retirar restrição para que Copel compre energia de usinas próprias

Projeto revoga regra instituída em 2004, no governo Requião

  • PorDa Redação
  • 17/02/2016 10:49
 | Ricardo Almeida/ ANPr/Fotos Públicas
| Foto: Ricardo Almeida/ ANPr/Fotos Públicas

O governo do estado mandou para a Assembleia Legislativa um projeto de lei que retira restrições para que a Copel compre de forma antecipada energia elétrica de projetos de geração que ela toca em parceria com outras empresas. O objetivo é que a empresa possa comercializar essa energia através de uma empresa criada recentemente para isso.

A restrição para que a Copel compre energia antecipada de projetos dos quais é parceira foi instituída em 2004, durante o governo Roberto Requião, e pouco tempo depois de a empresa rescindir o contrato de compra e venda de energia com a termelétrica UEG Araucária. Na época, o contrato com a usina da qual era sócia previa o pagamento mesmo que não houvesse demanda pela geração.

Na justificativa da mensagem enviada à Assembleia, o governador Beto Richa argumenta que a mudança na lei é necessária para que se corrija uma distorção – segundo o texto, a empresa já firma contratos de compra e venda de longo prazo para empreendimentos de terceiros, mas não pode ela mesma fazer essa aquisição de seus projetos.

A razão para a mudança também envolve a comercializadora de energia elétrica criada recentemente pela companhia. Se a mudança for aprovada, a Copel poderá adquirir de forma antecipada a energia de seus projetos construídos em parceria com outras empresas para vendê-la no mercado livre, onde são feitos os contratos com os grandes consumidores, principalmente indústrias.

“A revogação do dispositivo permitirá que a Copel desenvolva novos projetos de geração em parceria com a iniciativa privada, podendo adquirir a energia para revenda a seus consumidores no mercado livre, com preços mais competitivos”, diz a mensagem.

O projeto tramita na Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.