i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Redes sociais

Facebook conquista espaço na terra do Orkut

Maior rede social do mundo, com 250 milhões de usuários, cresce no Brasil com proposta mais “adulta” que o concorrente

  • PorDa Redação, com agências
  • 19/07/2009 21:10
Veja a presença da rede no mundo e seu crescimento de 2008 para 2009 |
Veja a presença da rede no mundo e seu crescimento de 2008 para 2009| Foto:

Sexo, dinheiro e traição: seria essa a história de Mark Zuckerberg?

O título é bombástico: The Acci­den­tal Billionaires: The Founding of Face­book, a Tale of Sex, Money, Genius and Betrayal ("Bilioná­rios por Acidente: a criação do Fa­­cebook – um conto de sexo, dinheiro, ganância e traição", numa tradução livre do inglês). O conteúdo não deixa por menos: Mark Zu­­cker­­berg, fundador do Face­book, é retratado como um jovem genioso, que teria feito o si­­te para "pegar mulher" e, no meio de sua veloz ascensão, participou de orgias e até de um exótico jantar em um iate em que o prato prin­­ci­pal era um coala.

O esperado livro, lançado na se­­mana passada nos EUA e ainda sem tradução para o português, foi es­­crito por Ben Mezrich – o que diz mui­­to sobre a veracidade das in­­for­mações contidas nele. Em seu site (benmezrich.com), Mezrich, autor de outros dez livros, é descrito co­­mo alguém que "criou um estilo próprio de não-ficção altamente viciante, transformando em crônicas as incríveis histórias de jovens geniosos que fazem toneladas de dinheiro no limite da impossibilidade, da ética e da mo­­ralidade".

Para boa parte dos críticos, en­­tre­­tanto, trata-se apenas de uma for­­ma criativa de dizer que sua his­tó­­­ria é inventada – ao menos parcialmente. Consciente das críticas, Mezrich escreveu um texto de abertura para o livro, em que ad­­­mite a mistura de informações e até mesmo mu­­­­dan­ças na cronologia dos eventos contados.

De um jeito ou de outro, a animada história sobre o mais jovem bilionário do mundo, Zucker­berg, despertou o interesse de Holly­wood, que prepara um filme a partir do livro – o seu best-seller Quebrando a Banca foi adaptado para o cinema no ano passado.

  • Mark Zuckerberg é descrito em livro como um jovem ganancioso, que teria roubado informações de colegas para criar o Facebook
  • Confira os principais fatos envolvendo o Facebook

No país em que o Orkut reina hegemônico entre as redes sociais, o Facebook começa a dar as caras. Só nos últimos 12 meses, a rede cresceu mais de 700% no Brasil, e já soma 1 milhão de usuários. Parece pouco perto do Orkut, do Google, com seus 24,4 milhões de membros, mas já mostra uma pressão para que o serviço cresça no país assim como vem crescendo em todo o mundo. Nascido nos Estados Unidos há cinco anos, o Facebook é hoje o maior fenômeno mundial quando se fala em redes sociais. Ele ultrapassou um a um os sites de relacionamento mundo afora, tornando-se líder em países tão díspares como Co­­lômbia e Austrália. Na última se­­mana, bateu a marca de 250 mi­­lhões de usuários. E, graças a uma cara mais adulta e dinâmica, vem ganhando terreno no Brasil.

"As ferramentas que ele disponibiliza são muito boas. Por exemplo, a integração com o Twitter. Todo mundo adorou essa ideia de associação, de fazer os comentários saírem direto no Twitter", conta o blogueiro e estudante de biologia Mateus Santos. Usuário do Orkut há quatro anos, ele excluiu a conta da rede do Google e agora usa somente o Facebook. "Eu já tinha o Facebook e comecei a usar mais porque ele tem ferramentas mais dinâmicas e uma seriedade maior como rede social. Inclusive na maneira como você é contactado. As pessoas chegam a você por indicação, não é aquela bisbilhotagem do Orkut."

Seriedade, aliás, é palavra de or­­dem quando se fala em Face­book. A analista de mercado Pietra Rassi é uma das que aderiu ao site neste ano, depois de cinco anos no Or­­kut. "Eu resolvi entrar em todas as redes sociais para entender como elas funcionam. E muitas pessoas começaram a falar bem do Face­book, que lá você tem mais privacidade e que é uma coisa mais sé­­ria." Ela diz que não pretende deixar de usar a rede social do Google, mesmo admitindo que tenha "perdido o interesse" no Orkut.

Assim como Pietra, 95% dos internautas brasileiros que estão no Facebook ainda mantêm a conta no Orkut, de acordo com a consultoria ComScore – para não per­­der o contato com os amigos que ainda não migraram de rede social. A pesquisadora em mídias sociais da PUC de Pelotas Raquel Recuero acredita que a empolgação com o serviço do Google, que "já não traz mais novidades", está mesmo passando. "O Facebook é uma ameaça, mas as pessoas não vão abandonar o Orkut até que todos tenham migrado", avalia.

Contágio

Com o perfil mais internacional entre todas as redes até agora, o Facebook, que nasceu nos EUA, foi aos poucos conquistando pela possibilidade de comunicação entre internautas de diferentes países. Um francês tinha um amigo norte-americano. Daí, entrava no Fa­­cebook para conversar com ele, só que também convidava aquele amigo da escola de sua cidade. E este, convidava irmã. Quando se via, 50% dos internautas franceses já estavam no serviço e abandonaram a rede que utilizavam antes.

Isso se repetiu no Canadá, no Reino Unido, na Argentina, na Es­­panha, no Chile, nos EUA... Hoje, nada menos do que 30% dos internautas mundiais estão no Face­­book e gastam, em média, 20 mi­­nutos diários em suas páginas. Por sua popularidade, o site – que ho­­je ocupa a quarta posição mundial entre os gigantes na internet em números de acesso – já pode ser con­­siderado o principal rival do Google.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.