i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Fronteira

Falta de fiscais atrasa liberação de cargas em Foz

Redução do quadro de agentes sanitários faz o tempo de espera pelo desembaraço passar de 60 horas, o dobro do normal

  • PorFabiula Wurmeister, da sucursal
  • 10/02/2010 21:03
Pátio da Estação Aduaneira Interior, em Foz: perdas com caminhões que ficam parados variam entre 10% e 20% do valor do frete | Christian Rizzi/ Gazeta do Povo
Pátio da Estação Aduaneira Interior, em Foz: perdas com caminhões que ficam parados variam entre 10% e 20% do valor do frete| Foto: Christian Rizzi/ Gazeta do Povo

A falta de agentes fitossanitários do Ministério da Agricultura em Foz do Iguaçu, no Oeste do estado, está afetando a entrada de produtos importados dos países vizinhos. O tempo de espera para a conclusão de todo o trâmite aduaneiro, que em janeiro de 2009 era de no máximo 28 horas, esse ano já chegou a 60 horas. O problema se agravou nos últimos dois meses, quando o quadro de funcionário do setor sanitário foi reduzido pela metade. Atualmente, 31 servidores se revezam nos oito postos instalados na fronteira e em municípios próximos. Catorze estagiários também auxiliam no trabalho de inspeção. Por enquanto, a solução é a transferência de fiscais de outras regiões do país nos períodos mais críticos.

Na Estação Aduaneira Interior (Eadi-Sul), pelo menos 80% das cargas – a maioria de frutas e legumes da Argentina e do Chile, além de milho e trigo, do Paraguai – precisam passar pelo controle. Nessa época do ano, entram e saem do pátio do porto seco em média 800 caminhões todos os dias. Destes, 60% são de cargas de importação.

Na tentativa de amenizar o problema e evitar mais prejuízos, a Associação Comercial e Industrial de Foz do Iguaçu (Acifi) encaminhou na semana passada ao ministro da Agricultura, Reinold Stephanes, um ofício relatando a situação e exigindo uma solução imediata. "As perdas com um caminhão que fica parado aguardando a fiscalização e toda a burocracia que o transporte internacional exige variam de 10% a 20% do valor faturado pelo frete. Caminhão não é depósito de mercadoria, precisa rodar", afirma o diretor de Comércio Exterior da Acifi, Mário Camargo.

Os avanços nas negociações no âmbito do Mercosul, aponta Camargo, são infrutíferos se a infraestrutura disponível para o desenvolvimento dos setores envolvidos não supre esse ritmo. "Enquanto acordos são firmados no sentido de se reduzir barreiras tarifárias e não-tarifárias, não se pode admitir em uma fronteira estratégica para o bloco, como Foz do Iguaçu, que o fluxo de importação e exportação seja prejudicado porque não se tem uma estrutura adequada ou servidores que não conheçam a realidade local. A parte operacional é fundamental."

PrejuízoParado no pátio da Eadi-Sul desde segunda-feira (7), o motorista Elísio Martins, de 45 anos, calcula os prejuízos. Carregado com cebola argentina, ele já deveria ter entregado a encomenda em São Paulo e voltado para a terceira viagem entre os dois países. "Esse mês é a primeira vez que cruzo a fronteira. Se continuar assim, vou fechar fevereiro com a metade do serviço. Não está mais compensando trabalhar no transporte internacional", aponta ele, que aguarda o desembaraço e deve seguir viagem no início da tarde de hoje.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.