i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Mercado imobiliário

Curitiba tem o menor estoque de imóveis em 6 anos e preços ultrapassam inflação

De acordo com os empresários do setor, um volume maior de lançamentos só virá no segundo semestre. Com menos oferta, a tendência é de que os preços subam mais neste ano

  • PorFabiane Ziolla Menezes
  • 03/03/2017 19:30
Na foto, a maquete do Upside View, empreendimento da Swell no Mercês. | Henry Milleo/Gazeta do Povo
Na foto, a maquete do Upside View, empreendimento da Swell no Mercês.| Foto: Henry Milleo/Gazeta do Povo

A época do boom imobiliário ficou, definitivamente, para trás em Curitiba. O ano de 2016 fechou com um estoque de imóveis residenciais novos de 7.709 unidades, o menor patamar em seis anos na cidade. Também no ano passado, o preço médio desses imóveis subiu 7,1%, variação levemente acima da inflação oficial no período, de 6,28%. Mas com a previsão de que a entrega de novos empreendimentos seja ainda menor daqui para frente, justamente pela pisada no freio que o setor deu a partir de 2014, os preços devem voltar a subir em ritmo um pouco maior em 2017.

Confira a evolução do mercado imobiliário de Curitiba em 2016

Os dados são da Associação dos Dirigentes das Empresas do Mercado Imobiliário do Paraná (Ademi-PR), em parceria com a Brain Bureau de Inteligência Corporativa, e consideram uma parte do mercado, a dos apartamentos vendidos na planta e que estão prontos para morar.

É a velha relação entre oferta e demanda que já está fazendo com que as construtoras consigam repassar a inflação ao consumidor. Em número de unidades lançadas, a queda foi de 25% de 2015 para 2016. “Essa diminuição é salutar para o mercado. Temos um mercado de 4 mil ou 5 mil unidades ao ano, ou seja, que consome essa quantidade de imóveis. E não podemos esquecer que é um mercado de ciclo longo, que demora para produzir (...) Ao longo deste ano, o estoque deve cair entre 10% e 15% do patamar que estamos agora”, explica o diretor de relações institucionais da Ademi-PR, Marcelo Gonçalves.

Acompanhe a Gazeta do Povo no Linkedin

Se é hora ou não de comprar o imóvel? Isso depende de outros fatores, principalmente do perfil do comprador. “O que a gente acredita em termos de preços é que, nos próximos anos, haverá uma atualização pela força dos insumos e da mão de obra. Muita gente está achando que os incorporadores estão esperando para aumentar o preço. Esqueçam. [Na Ademi-PR], o que percebemos é que as construtoras estão fazendo um esforço para ter um produto bom, com preço bom”, diz Gonçalves.

LEIA MAIS sobre Finanças Pessoais

Novas regras do cartão de crédito não salvam os brasileiros dos juros

Como preparar as finanças para o caso de demissão

Vai faltar imóvel, dependendo do bairro e da tipologia desejada

O que os empresários do setor também frisam, no entanto, é que no segundo semestre, quando as construtoras já devem ter batido o martelo em relação à retomada dos lançamentos, alguns imóveis já estarão em falta em alguns bairros de Curitiba.

Esse é o caso do Portão. O bairro chegou a ser um dos “mais ofertados” da cidade em 2012, quando o mercado atingiu o auge de 11,5 mil unidades em estoque, com pouco mais de 2,6 mil apartamentos concentrados nele. Em 2015, quando a Swell Construções & Incorporações lançou o BonneVie Home & Living no Portão, no entanto, só havia 200 unidades na tipologia oferecida pela construtora, de 2 e 3 quartos e alto padrão.

Além de bem estudados – alguns revistos completamente –, os projetos que surgiram no momento de acirramento da crise econômica em Curitiba exploraram, principalmente, o chamado mercado de nicho, de alto padrão e voltado para empreendimentos de poucas unidades. De 2015 para 2016, o preço médio dos apartamentos de três e quatro quartos, tipologia típica desse mercado, cresceu em ritmo maior que a média: 9%.

Diretor de incorporações da Swell Construções e Incorporações, Leonardo Pissetti: com algumas adaptações foi possível atender aos desejos do comprador curitibano dentro do preço.Henry Milleo/Gazeta do Povo

Com uma adequação em termos de tamanho, localização, acabamento e outros aspectos, foi possível encaixar esses imóveis no bolso do consumidor, que se viu perdendo poder de compra em meio a alta dos juros e outras pressões. “Oportunidade não é só preço, é ter o imóvel nas condições certas. O curitibano é bastante exigente, quer a tipologia certa, com o sol no lugar certo e no bairro que ele quer. Mas é um mercado que depende 80% do crédito e muitos dos nossos clientes viram esse poder de compra diminuir com a situação do país. [Com as adaptações necessárias] o que vimos foi que muitos adiaram a compra do imóvel dos sonhos e se contentaram em comprar o imóvel possível”, conta o diretor de incorporações da Swell, Leonardo Pissetti.

Essa readequação do lado do comprador e também do lado das construtoras parece ser a chave para as empresas locais em Curitiba – as de atuação nacional estão conseguindo ter seus estoques gigantescos sob controle só agora – algumas delas, a exemplo da PDG, nem isso.

Entre as construtoras locais, a Swell foi uma das únicas a fazer lançamentos em 2016. O empreendimento de alto padrão Upside View, no Mercês, foi lançado em dezembro do ano passado. Com unidades na faixa de R$ 1 milhão, 65% dos apartamentos já estão vendidos. “ E acreditamos que chegaremos perto da entrega, prevista para março de 2018, com quase todas as outras 17 vendidas.”

Thá vai “puxar a fila” dos lançamentos

Para o braço de incorporação do Grupo Thá, o ano de 2016 também foi de prospecção de terrenos para 2017. A empresa vai lançar dois empreendimentos no próximo dia 29 de março, em parceria com a Laboro, holding do empresário Geninho Thomé – Mason 29 , no Mercês, e Rio Rhône, no Batel –, e mais dois – um deles com outro parceiro – entre no segundo semestre. Todos nos padrões Luxo (entre R$ 1 milhão e R$ 2 milhões) e Super Luxo (acima de R$ 2 milhões).

“Como a posição da Thá [no mercado curitibano] é importante, a gente acredita muito que ‘puxando a fila’ dos lançamentos já no início do ano vai incentivar as outras empresas a também lançarem empreendimentos, além de ser algo importante para reposicionar os preços do mercado, inclusive dos imóveis que estão no estoque”, diz o gerente comercial da Thá, Rodolfo Baggio.

Segundo ele, neste e nos próximos anos, a Thá pretende “fazer o que fazia lá no início”, ou seja, trabalhar com foco nos segmentos de Luxo e Superluxo. “É claro que estamos sempre de olho nas oportunidades. Mas eu diria que só se algo muito extraordinário aparecer pensaremos em alterar o rumo [e investir em padrões mais baixos/baratos de imóveis].”

Os recentes anúncios sobre a permissão para que as linhas do FGTS também sejam usadas para financiamento de imóveis de até R$ 1,5 milhão e as correções das faixas do Minha Casa Minha Vida, que passaram a atender famílias com renda de até R$ 9 mil, também devem dar um novo fôlego ao mercado. Isso somado ao movimento de queda de juros é a grande esperança do setor da construção civil para 2017 e os próximos anos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.