i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
fazenda rio grande

Franceses investem R$ 30 mi em fábrica

  • PorBreno Baldrati
  • 14/09/2010 21:14
Didier de Condé, da SNR: movimentos para reforçar produção e vendas | Gisele Koprowski
Didier de Condé, da SNR: movimentos para reforçar produção e vendas| Foto: Gisele Koprowski

A SNR, empresa de rolamentos automotivos e industriais com fábrica em Fazenda Rio Grande, na região metropolitana de Curitiba, planeja investir R$ 30 milhões na unidade paranaense nos próximos anos. A companhia, parte do grupo Renault, não informa o período para a aplicação dos recursos, mas o objetivo é ampliar a capacidade de produção e reforçar a equipe de vendas. O diretor-geral da SNR na França (país-sede da empresa), Didier Sepulchre de Condé, esteve ontem em Curitiba para a comemoração de dez anos do início das operações no estado. "Nossa meta é duplicar o faturamento no Brasil", afirmou.

No ano passado, o lucro da empresa foi de R$ 70 milhões. Além de atender à indústria automotiva instalada no país – Fiat, Honda, Renault, General Motors, Cestari e PSA, por exemplo –, a fábrica local também exporta rolamentos para outros países da América Latina. "A unidade de Curitiba é a base para a América Latina. Com o potencial de crescimento de mercado em todo o continente, precisamos aumentar nossa capacidade produtiva aqui", disse o diretor-geral.

Segundo Condé, o grande desafio da empresa no Brasil é a integração dos processos para a fabricação dos rolamentos, de modo que a matéria-prima utilizada seja toda brasileira. "Hoje, ainda precisamos importar aço forjado, por exemplo, porque sai mais barato do que comprar aqui", exemplificou.

A SNR também anunciou ontem o início do processo de integração à NTN, grupo japonês que atua no mesmo mercado. A fusão já havia sido realizada em nível mundial, mas começa a ser implementada agora no Brasil. O faturamento global conjunto de NTN e SNR foi de mais de R$ 10 bilhões em 2009. "Além de um reforço na equipe de vendas, que crescerá muito, o grande benefício dessa integração é que nossos clientes contarão com um suporte de base global", afirmou Condé. Em julho, a NTN comprou as instalações da Tedrive, de Guarulhos, em São Paulo, onde passará a produzir semieixos a partir de 2011.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.