Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Funcionários da Cavo, empresa responsável pela coleta de lixo e pela limpeza das ruas de Curitiba, entraram em greve por tempo indeterminado na manhã desta quinta-feira (10). De acordo com o Sindicato dos Empregados em Empresas de Asseio e Conservação de Curitiba e Região, Siemaco, os coletores e varredores temem uma possível demissão em massa com a venda da Cavo para a empresa Estre, do grupo Banco Pactual.

A Prefeitura de Curitiba informou em nota que notificou a empresa Cavo, que tem 48 horas para regularizar os serviços de coleta domiciliar de lixo, sob pena de multa diária de R$ 15 mil, já que o indicativo de greve não foi repassado com 72 horas de antecedência, conforme prevê a Constituição Federal.

Além da possível demissão em massa, negada pela empresa, os funcionários reivindicam 20% de aumento salarial, 50% de aumento nos vales alimentação e refeição e a contratação de mais coletores de lixo por caminhão. A categoria também luta por melhorias nos equipamentos de segurança, redução da jornada de trabalho e manutenção dos direitos já adquiridos. Nesta manhã os coletores e varredores da Cavo protestaram em frente à sede da empresa e impediram trabalhadores de fazer a coleta de lixo na cidade. O trânsito na Avenida Getúlio Vargas ficou bloqueado pelos manifestantes por seis horas.

Em nota, a Cavo Serviços e Saneamento S.A. disse que em nenhum momento os funcionários foram ameaçados e os direitos legais dos colaboradores irão permanecer inalterados. Com relação à venda da Cavo para a Estre Ambiental S.A., a empresa informou que a operação não altera a rotina e o atendimento à coleta e ao destino final de resíduos da cidade.

O Siemaco deve reunir os trabalhadores em uma assembleia nesta sexta-feira as 7 horas para decidir se a categoria continua em greve ou retorna ao trabalho.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]