Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Rede americana Petland planeja ter 40 franqueados no Paraná até 2020. | Antônio More/Gazeta do Povo
Rede americana Petland planeja ter 40 franqueados no Paraná até 2020.| Foto: Antônio More/Gazeta do Povo

Grandes redes do mercado pet brasileiro seguem com planos de abertura de lojas em 2016, apesar da queda do comércio no último ano. A Cobasi, que desde 1996 tem megalojas para animais (que costumam ter mais de 1.000 m²), prevê abrir 15 novas unidades neste ano, diz Ricardo Nassar, sócio-diretor. Uma delas em Curitiba, conforme a Gazeta do Povo noticiou em dezembro passado. Em 2015, a empresa abriu oito lojas, chegando a 37 – incluindo a marca Pet Fácil, de porte menor, cujas lojas têm entre 400 m² e 600 m².

Sua principal rival, a Petz (antigo Pet Center Marginal), deve ter 12 novas unidades até o fim do ano, segundo seu presidente, Sergio Zimerman. A companhia, que está em 34 pontos, inaugurou oito lojas no ano passado.

Enquanto a Cobasi mantém a gestão familiar, a expansão da Petz é impulsionada pelo fundo norte-americano Warburg Pincus, que adquiriu metade da companhia em 2013. Os investidores dedicaram o ano seguinte, sem inaugurações, a injetar recursos para reestruturar a empresa e planejar a expansão.

Ele diz que, em 2015, as vendas da Petz cresceram 14%, considerando as lojas já existentes no início do ano e sem contar a inflação. Antes, crescia até 20% ao ano, diz. Na opinião de Nassar, da Cobasi, a inflação leva consumidores a preferirem lojas maiores, que conseguem oferecer preços menores, ao pequeno comércio de bairro. Segundo ele, a empresa teve aumento real (já descontada a inflação) de 10%. A Abinpet (associação do setor) estima alta nominal de 7,4% para o mercado pet em 2015, ante 10% em 2014.

Para Ana Paula Tozzi, presidente da consultoria GS&AGR, há uma demanda reprimida por produtos e serviços que permite a manutenção das vendas. “Nos últimos 20 anos, o cachorro foi do quintal para dentro da casa. Se tornou uma pessoa da família, que precisa estar limpo, saudável e ser educado.”

Lojas de bairro

A baixa concentração do mercado pet no Brasil, dominado por lojas de bairro, indica que há espaço para o aumento das redes. Enquanto as maiores ainda não chegam a cem unidades, havia 33,5 mil pet shops em 2014, segundo o Instituto Pet Brasil, braço da Abinpet de varejo.

Para Nelo Marraccini Neto, vice-presidente do instituto, o desafio de quem quer crescer com grandes lojas é conseguir conservar o relacionamento pessoal que o pet shop de bairro oferece.

A empresa norte-americana Petland aposta em criar uma grande rede de franquias de bairro no Brasil. “É um mercado que cresce ainda de modo amador. A maior parte das operações é comandada por veterinários de perfil técnico, que não têm conhecimento de varejo, gestão de pessoas para profissionalizar o negócio”, diz Rodrigo Albuquerque, sócio-diretor da Petland no país.

Petland vai crescer

Com duas unidades em funcionamento em Curitiba e outra em construção, a marca norte-americana de produtos e serviços para animais de estimação Petland planeja ter 40 franqueados no Paraná até 2020. O plano de expansão é motivado pelos resultados positivos da loja no bairro Batel que, em oito meses de funcionamento, recebe 1.200 clientes por mês. O investimento inicial para abrir uma unidade é R$ 350 mil e o faturamento pode chegar a R$ 876 por metro quadrado em um prazo de 24 a 36 meses. É necessário ter uma área de, no mínimo, 100 metros quadrados e uma equipe com cinco funcionários. O prazo de contrato é de cinco anos e são cobrados royalties de 5% sobre o faturamento bruto mensal.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]