i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Entendimento

Qual o peso do aceno político de Paulo Guedes a favor da reforma tributária

  • Brasília
  • 17/07/2020 19:41
Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, definiram a retomada da reforma tributária em almoço na última quarta-feira (15)..
Presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, definiram a retomada da reforma tributária em almoço na última quarta-feira (15)..| Foto: José Cruz/Agência Brasil

Depois de passar um ano prometendo enviar a sua proposta de reforma tributária ao Congresso, o ministro da Economia, Paulo Guedes, finalmente fechou uma data. Em um aceno para apaziguar os ânimos dos parlamentares sobre o tema, Guedes combinou com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), entregar a primeira parte da proposta do governo na próxima terça-feira (21).

O ministro disse que irá pessoalmente à residência oficial de Alcolumbre entregar o documento. A previsão é que Maia e outras lideranças políticas diretamente ligadas ao debate sobre a reformulação do sistema de impostos do país acompanhem o encontro, previsto para a hora do almoço, segundo interlocutores do Ministério da Economia. Os detalhes do encontro ainda estão sendo fechados. Será a primeira vez que representantes do governo, da Câmara e do Senado aparecerão juntos por causa da reforma tributária.

O entendimento começou com um almoço, na quarta-feira (15), entre o ministro Paulo Guedes e o presidente da Câmara — foi um encontro fora da agenda oficial de ambos. A reunião foi intermediada pelo ministro das Comunicações, o deputado Fábio Faria (PSD-RN). Foi nessa reunião que Guedes combinou com Maia enviar a primeira parte da proposta de reforma tributária do governo na semana que vem, atendendo a um pedido do próprio presidente da Câmara.

Guedes e Maia não se falavam desde maio, quando entraram em atrito público por divergências sobre o projeto de socorro a estados e municípios. O ministro acabou fechando um acordo com o Senado e modificou substancialmente a proposta aprovada pela Câmara, irritando Maia, que entendeu que foi “passado para trás” na discussão. Desde então, Rodrigo Maia passou a despachar pautas econômicas com o assessor especial de Guedes, o ex-ministro do Planejamento Esteves Colnago.

Guedes declarou à CNN que "está havendo uma reaproximação e pacificação na política" e que será possível retornar a agenda sobre a reforma tributária neste segundo semestre. "Com o coronavírus, veio o desentendimento na política. O Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente, os governadores. Todo mundo se desentendendo. Agora, há reaproximação.”

Semana começou com desentendimento entre Maia e Davi

Até o início da semana, o clima não estava a favor da reforma. Num gesto para pressionar o Executivo e o Senado, Maia anunciou na terça-feira (14) que convocaria uma sessão da comissão de reforma tributária na Câmara dos Deputados para retomar os debates sobre a proposta de emenda à Constituição (PEC) 45/2019, de autoria do deputado Baleia Rossi (MDB-SP) e relatada por Aguinaldo Ribeiro (PP-PB).

"O presidente do Congresso [Davi Alcolumbre] disse que tinha dificuldade de retomar as comissões mistas [em virtude da pandemia]. Como não conseguimos avançar lá, a partir de amanhã vamos retomar o debate na Câmara dos Deputados. Se pudermos retomar junto com o Senado, muito melhor", disse Maia.

O gesto foi interpretado por Alcolumbre como uma afronta, já que o combinado desde o fim do ano passado era tratar o tema em uma comissão mista informal do Congresso. O presidente do Senado elevou o tom e disse que engavetaria a proposta da Câmara se ela fosse aprovada pelos deputados.

"A Câmara tem legitimidade para votar a PEC 45 [da Câmara], mas se o Senado não estiver inserido, e foi esse o intuito na comissão mista, a PEC vai ser votada na Câmara dos Deputados e não vai tramitar no Senado Federal", declarou na quarta-feira (15) durante sessão do Senado.

"Se a Câmara não estiver alinhada com uma proposta dos senadores e com a participação decisiva do governo, alguém acha honestamente que sai uma reforma tributária sem a participação do governo?”, alertou.

Guedes deixa CPMF de fora num primeiro momento para evitar atritos

O ministro Paulo Guedes, diante do fogo cruzado, resolveu adotar um tom pacificador. Além de voltar a dialogar com Maia, ele afirmou que enviará na terça-feira somente a primeira parte da reforma do governo, que é mais consensual.

Trata-se da criação de um imposto sobre valor agregado (IVA) federal, que vai substituir o Programa de Integração Social (PIS) e a Contribuição sobre o Financiamento da Seguridade Social (Cofins). O IVA federal deve se chamar Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS) e terá uma alíquota entre 11% e 12%. Estados e municípios poderão acoplar o ICMS e o ISS ao IVA Federal, mas será opcional.

“Temos que começar pelo que nos une. Vamos começar com o IVA dual. Vamos acabar com o PIS e a Cofins. Isso já está na Casa Civil”, disse o ministro em evento promovido pela XP Investimento na quinta-feira (16). “A reforma tributária está pronta, está na Casa Civil o primeiro tranche. Segue para o Congresso e vai ser entregue ao senador Davi Alcolumbre. Vamos levar a proposta para o presidente do Senado. Nós vamos à casa do Davi na terça-feira”, completou.

O ministro preferiu não enviar neste momento o que seria uma segunda fase da reforma, a criação de um imposto sobre transações, numa versão digital da extinta CPMF. "Se vamos começar pelo que nos desune, a reforma tributária vai terminar antes de começar", afirmou no evento da XP. "Não interessa ir para o confronto, isso é uma tolice."

Segundo ele, a criação desse imposto deverá ser tratada num outro momento, junto de um programa de geração de empregos. A ideia é que o imposto financie a desoneração parcial da folha de pagamentos, a aposta do governo para estimular o emprego formal no pós-pandemia.

A opção por deixar esse tema para um segundo momento foi feita porque o presidente da Câmara é resistente ao tema. Maia afirmou que, enquanto for presidente da Casa, não pautará “nenhum imposto disfarçado de CPMF” e chegou a ameaçar relançar a campanha “Xô, CPMF”. A campanha foi lançada em 2007, quando a CPMF foi derrubada pelo Congresso. O mandato de Maia à frente da Câmara termina em fevereiro de 2021.

Debate sobre volta da CPMF não está morto

O tema, contudo, não será deixado de lado pelo ministro, como gostaria Maia. Guedes acredita que a única forma de gerar um “choque de empregabilidade” é desonerando a folha e, para isso, não vê outra alternativa se não a criação de um imposto sobre transações para compensar a perda de arrecadação que a desoneração gerará, em especial para Previdência.

Conta a favor do ministro o fato de ele ter vencido algumas resistências internas sobre o tema. O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, vem afirmando em sucessivas entrevistas que o tema precisa voltar ao debate. No ano passado, a discussão tinha sido enterrada pelo próprio presidente Jair Bolsonaro, e custado o cargo de Marcos Cintra, na época secretário da Receita Federal.

Líderes de parte do Centrão também estão dispostos a discutir o tema, em especial Arthur Lira (PP-AL), um dos principais caciques do grupo. Parte do grupo informal do Congresso passou a compor a base de apoio do presidente Bolsonaro em troca de cargos públicos.

Com apenas mais seis meses de mandato, Maia pode não ter a mesma força para barrar temas que não são do seu interesse. Lira é apontado como um dos nomes favoritos para presidir a Câmara no ano que vem.

14 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 14 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • C

    Ciro Botelho dos Santos

    ± 0 minutos

    Esse Maia parece criança. Sempre emburrado, sempre choramingando por uma coisa ou outra. Vê se para de mimimi e pense no bem do Brasil. Reforma tributária é pra ontem!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    STF

    ± 24 horas

    Reforma” tributária na cabeça dos políticos é aumento de impostos quando o que precisamos é reduzir impostos e acabar com salários e aposentadoria públicas absurdas para filhas “solteiras” e coisas do tipo!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Sou Brasil

    ± 1 dias

    O imposto mais justo é sobre transação bancária pois até traficante pagará imposto...sobre a renda e faturamento é injusto.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • F

      FB

      ± 1 dias

      Só irá estimular a desbancarização da economia, voltando com um monte de comerciante só aceitando dinheiro vivo e cheque cruzado, e funcionário que só aceita receber salário em dinheiro vivo, e junto com a festa de bandidos roubando pessoas e comércios com a carteira cheia. E exterminará todas as formas de comércio e assinaturas online.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Luiz

    ± 1 dias

    Até agora não entendi porque chamam este novo imposto de cpmf, já que ele não é sobre "movimentação financeira" e sim sobre "transação comercial eletrônica", bem diferente

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    LEONARDO BARBASKI

    ± 1 dias

    Reforma sem incluir o ICMS não faz muito sentido. Nem é pela guerra fiscal, mas pela maluquice como esse imposto é aplicado... A complexidade só ajuda ao governo e ninguém mais. Se não for extinguir o ICMS que mude a forma como ele é aplicado. Bizarrices como substituição tributária, aplicação em cascata entre outras loucuras só mostram que os governos querem dinheiro pra manter uma casta de funcionários e empresas dependentes de licitação, e o povo que conviva com serviços ruins.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Rocha Dias

    ± 1 dias

    Desonerar folha de pagamento é o básico do básico para aumentar e formalizar empregos. Trabalhadores informais não pagam impostos trabalhistas e custam muito ao Estado. Torço para que nessa época de pandemia, políticos e sociedade enxerguem bem o tamanho do problema. Sou a favor de reduzir impostos e encargos dos empregos formais em troca de um imposto que TODOS pagem: empregados, informais, funcionários públicos, empresas e até os especialistas em não pagar impostos... criminosos. Chamem esta nova contribuição como quiser, mas reduzam a carga e destravem a geração formal e manutenção sustentável dos empregos. Menos direitos, mais emprego. Menos carga de impostos trabalhistas, mais emprego.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Mário Kume

    ± 1 dias

    Infelizmente nós vamos continuar convivendo com a bandidagem dos políticos brasileiros que os próprios eleitores (a maioria...) colocaram em Brasília. Pagamos um imposto estratosférico, o maior do planeta e ninguem reclama. Poucos, tão poucos que nada pode fazer mudar o rumo desta barbaridade. Do lutro lado a tão esperada Reforma Tributária para valer não anda por razões óbvias... Assim o país perde uma oportunidade de ouro para dar mais fôlego aos empresários brasileiros e tambem de atrair cada vez mais empresas estrangeiras para esta imensidão brasileira para gerar mais empregos. Todas as grandes empresas estão sainda da China e migrando para o Vietnam e India...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Carlos Tadeu Furquim

    ± 1 dias

    O país precisa pensar fora da caixa e, a reforma tributária está aí, para tirar todos da zona de conforto e refletir sobre o que é melhor para a população. O resto é mimimi de perdedores, acostumados ao toma lá dá cá.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    JOSMAR PORTUGAL VAZ

    ± 1 dias

    O MAIOR IMPOSTO DO BRASIL É A CORRUPÇÃO ! QUE COMEÇA COMEÇA PELOS POLÍTICOS .....

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    JOSMAR PORTUGAL VAZ

    ± 1 dias

    Muito cruel se voltar com a tal CPMF . O imposto mais covarde e que só deu certo no Brasil um dos país mais corruptos do mundo. Se for implantando Bolsonaro será um grande traidor do povo brasileiro . Imposto em cascata que destrói o dinheiro do cidadão. Grande covardia com o pobre povo brasileiro . Reforma tributária da CPMF.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    SantoHomem!

    ± 1 dias

    Reforma morta, não traz nenhuma vantagem para o povo do Brasil, nem para a Pátria (para os mais conservadores e de direita, se assim gostarem). É um desperdício de tempo este governo. QUanto mais tempo ficarem habitando o palácio, maior vai ser o sofrimento do povo e mais demorada será a recuperação. Simples assim. É um governo que fede cadável de 7 dias.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • R

      Rocha Dias

      ± 1 dias

      Nilson Macan: excelente!!!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • N

      Nilson Macan

      ± 1 dias

      Só quem não lida com impostos no seu dia a dia, pode afirmarr coisas como o "Santo HOmem". os Impostos mais perversos existentes sao ICMS IPI PIS E COFINS... que tributam em cascata, conforme o regime tributarário. O inss incidente sobre a folha de pagamento gira em torno de 30 a 35% sobre o salário incluindo empregado e empregador... Esse REGIME TGRIBUTARIO HERDADO DA ESQUERDA FEDE A CADAVER DESDE QUE SARNEY ASSUMIU A PRESIEDENCIA EM 1988. Tá bom assim "santo homem".

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.