i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Polêmica dentro do governo

Guedes nega limitar precatórios para financiar Renda Cidadã: “puxadinho”

  • Brasília
  • 30/09/2020 16:29
Ministro Paulo Guedes disse que limitar precatórios para financiar Renda Cidadã é um "puxadinho" da ala política.
Ministro Paulo Guedes disse que limitar precatórios para financiar Renda Cidadã é um “puxadinho” da ala política.| Foto: Pedro França/Agência Senado

O ministro da Economia, Paulo Guedes, negou a ideia do governo de limitar o pagamento de precatórios para financiar o programa Renda Cidadã, que pode substituir o Bolsa Família e o auxílio emergencial a partir de 2021. Ele afirmou que a ideia da equipe econômica é unificar 27 programas sociais existentes para financiar o novo programa social.

Essa ideia, contudo, foi barrada pelo presidente Jair Bolsonaro, que deixou — pelo menos por enquanto — a cargo do senador Márcio Bittar (MDB-AC), de lideres aliados e da alas políticas e militares a criação do programa. Bittar prometeu que vai apresentar ainda nesta quarta-feira (30) o projeto do Renda Cidadã, contendo o financiamento via precatórios.

"Estamos fazendo nossos estudos, estamos avaliando nossas despesas. Na mesma hora ligaram uma coisa a outra [precatórios ao novo programa social], que 'esse estudo aqui é para fazer um programa populista'. Não é essa relação direta", disse Guedes nesta quarta, ao aparecer de surpresa durante coletiva virtual do Ministério da Economia sobre os dados do Caged de agosto.

Porém, a ideia foi apresentada pelo senador Bittar como a oficial do governo na segunda-feira (28). O anúncio foi feito junto com o presidente, ministros (incluindo o Guedes) e outros políticos.

"Nós sabemos que precatórios são dívida líquida e certa, transitada em julgado", disse Guedes na coletiva nesta quarta. "Despesa permanente precisa ser financiado com despesa permanente. Não pode ser financiado por puxadinho, por ajuste. Não é assim que se financia o Renda Brasil. É com receitas permanentes. Não estamos nos desviando dos nossos programas ", reclamou.

"[Usar precatórios para financiar despesa corrente] não é uma fonte limpa, saudável, permanente", acrescentou. A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) obriga o governo, ao criar uma nova despesa permanente, a cortar outra despesa ou encontrar receita equivalente. Para não furar o teto de gastos (mecanismo que limita o crescimento das despesas do governo), a única alternativa para o governo era cortar uma despesa permanente, o que não foi proposto.

A ideia da ala política do governo é travar o pagamento de precatórios (títulos de pagamento expedidos pelo Judiciário para que municípios, estados e União paguem o que devem a pessoas físicas e jurídicas, após condenação judicial transitada em julgada) a 2% da receita corrente líquida. Com isso, seriam pagos em 2021 apenas R$ 16 bilhões em precatórios e sobrariam quase R$ 40 bilhões para bancar o Renda Cidadã.

"O relator [senador Márcio Bittar] vai apresentar versão dele do Pacto Federativo [PEC que vai conter o Renda Cidadã]. A Economia tem visão muito integrada, despesa com despesa e receita com receita. Se quiser aumentar alguma despesa tem que respeitar o teto, ou seja, desacelerar outras despesa", deixou claro o ministro, se opondo a ideia apresentada como do governo na segunda-feira.

Guedes quer acabar com "indústria dos precatórios", não financiar o Renda Cidadã

Guedes explicou que a ideia da equipe econômica para os precatórios é diferente. O objetivo é acabar com o que o ministro chama de "indústria de precatórios", não financiar programa social.

"Os precatórios saíram de 10, 12, 13 bilhões de reais no governo Dilma para 20, 25 no governo Temer. Agora estão chegando a 54 bilhões no ano que vem. É um crescimento galopante, explosivo. Tem que examinar quando há despesa crescendo explosivamente, mas não para financiar programas", disse.

O Ministério da Economia também quer unificar 27 programas sociais existentes no Renda Cidadã, segundo o ministro. Entre os programas, alguns considerados ineficientes, mas com alto custo, como o abono salarial, que custa cerca de R$ 18 bilhões ao cofres públicos por ano. Só que Bolsonaro considerou essa ideia tirar dos "pobres para dar aos paupérrimos". Guedes, contudo, disse que a ideia continua em estudo na Economia.

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • L

    Luca

    ± 32 minutos

    É óbvio que essa ideia dos precatórios não veio do ministério da economia, veio dos novos aliados do Bolsonaro, o centrão que só faz m****

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    Freitas

    ± 1 horas

    Mudam de opinião tal qual biruta de aeroporto.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.