Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Uso da madeira na construção civil ainda é pouco adotado no mercado brasileiro: normatização da matéria-prima é vista como ponto de partida para mudar cenário | Jonathan Campos/ Gazeta do Povo
Uso da madeira na construção civil ainda é pouco adotado no mercado brasileiro: normatização da matéria-prima é vista como ponto de partida para mudar cenário| Foto: Jonathan Campos/ Gazeta do Povo

Inovação

Madeira é matéria-prima de dois modelos construtivos distintos:

• Pré-fabricadas

Cortes pré-cortados compõem os kits de casas de madeira. Mais de 1.260 itens compõem uma casa de 50 metros quadrados, que pode ser erguida em 30 dias.

• Wood frame

Tecnologia alemã de pré-montagem do imóvel. As peças são produzidas em ambiente industrial, de onde saem com pré-instalação hidráulica e elétrica para serem montadas no local da obra. Uma casa de 100 metros quadrados pode ficar pronta em 12 horas.

Alternativa

Construcard, que financia materiais de construção, dá fôlego extra ao setor

Na Caixa Econômica Federal (CEF), 23 construtoras do Paraná têm autorização para financiamento em cinco sistemas diferentes: concreto leve, steel frame, wood frame, paredes compositórias e pré-fabricados de concreto. Uma das que deram entrada no documento para o sistema wood frame original de construção é a Kürten, de Curitiba. Mas o foco do engenheiro Waldemir Kürten, presidente da empresa, é uma faixa superior de clientela, disposta a pagar a partir de R$ 1,6 mil pelo metro quadrado de um imóvel com tecnologia de ponta, importada da Alemanha, trazida pela Kürten ao Brasil em 2011.

A construtora tem obras no MCMV no sistema construtivo convencional, de alvenaria. "O wood frame original tem custo muito alto para atender projetos sociais", opina. A Kürten tem capacidade para montar 150 habitações de wood frame por ano. A produção atual é de quatro casas de 150 metros quadrados por mês.

Financiamento

Outra modalidade de crédito que tem dado fôlego extra ao setor é o Construcard, que dá prazo de cinco anos para financiamento de até R$ 5 mil em material de construção. Com essa brecha, casas de madeira pré-fabricadas podem ser financiadas com juros mais altos dos que os da habitação. Um imóvel padrão, de 50 metros quadrados, custa em média R$ 50 mil. No Construcard, o montante financiado vai gerar prestações de R$ 1.150.

Apesar do prazo curto e da parcela alta, que tira o cliente de baixa renda da faixa de consumidores, tem empresa com bons resultados. Na Casas Paraná, com 40 anos de atividade no mercado, as vendas de kits de casas de madeira aumentaram 200% no último ano. "Cerca de 90% das nossas vendas são via financiamento pelo Construcard", diz Mateus Fuzon, diretor comercial da Casas Paraná.

  • Homologação de sistema da Tecverde demorou três anos

O aumento da contratação de crédito habitacional impulsionado pelo programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV) nos últimos anos abriu um novo mercado para empresas da construção civil, em especial as que apostam em diferentes modelos construtivos. O primeiro conjunto habitacional feito com tecnologia sustentável a seco, com uso de painéis de madeira, foi entregue no fim de junho em Pelotas, no interior do Rio Grande do Sul. A obra foi realizada pela construtora gaúcha Rodrigo Ferreira, a primeira a comprar o licenciamento do sistema desenvolvido pela Tecverde, de Curitiba, que adaptou o método alemão wood frame de construção para o Brasil.

INFOGRÁFICO: Veja detalhes sobre os valores financiados

Além do Residencial Haragano, com 280 unidades, a Tecverde vai fornecer os kits para outros projetos habitacionais populares no Paraná, organizados por movimentos sociais. A construtora F-Klass será responsável por 67 unidades no Boqueirão, em Curitiba. Em São Miguel do Iguaçu, a Baú vai erguer 250 casas e em Rio Bom, outras 23 habitações.

A construção a seco é feita em um terço do prazo do sistema convencional, usa 75% menos mão de obra e gera 25% do resíduo de um canteiro comum. Para o construtor, uma casa na metragem padrão do MCMV, entre 43 e 50 metros quadrados, custa R$ 30 mil – no padrão convencional, o custo pode chegar a R$ 55 mil. "Com valor menor por unidade, o construtor pode equilibrar custos no preço do terreno", explica José Márcio Fernandes, sócio-diretor da Tecverde.

O modelo de negócio desenvolvido pela Tecverde permite que sejam feitas parcerias com outras construtoras para o licenciamento da tecnologia, semelhante a uma franquia. Em dois anos, essa transferência de tecnologia para terceiros, como no caso da construtora gaúcha, que replica em Pelotas a produção fabril das casas, deve chegar a 50% do faturamento. Só a parceria com a Roberto Ferreira aumentou o faturamento da empresa em 10%. A outra modalidade do negócio é a venda de kits, tanto para construtoras como particulares.

A Tecverde adaptou a tecnologia para atender as faixas 1 e 2 do programa, até 3 e de 4 a 10 salários mínimos de renda mensal, respectivamente. A homologação do Ministério das Cidades para a construção baseada em wood frame demorou três anos para ser concluída.

Barreiras

Segundo a gerente executiva em exercício de padronização e normas técnicas de construção civil da Caixa Econômica Federal, Ercília Maria Mendes Tomaz,a inovação na construção civil é uma tendência no país, embora ainda tímida, diante dos custos para implementação dos sistemas, especialmente em parques industriais, e da resistência de parte do setor.

Executivo da Berneck lança nova empresa

A demora na certificação e na adoção de novas tecnologias construtivas para financiamentos é uma das razões para o baixo impacto nas vendas da indústria da madeira na construção civil, na avaliação do empresário Daniel Berneck, da Indústrias Berneck. "Tudo é lento e dispendioso. E temos um grande atraso tecnológico na área, comparado a outros países", diz. O descompasso, no entanto, foi um estímulo para o empresário investir em um novo negócio, em um projeto pessoal. Em um ano, Daniel deve abrir a operação de uma construtora especializada em obras de wood frame.

Normatização

O mercado brasileiro é reticente quanto ao uso da madeira na construção civil. A indústria padece de normatização para classificar a madeira estrutural, o que seria um ponto de partida importante para reverter a aversão contra a matéria-prima, na opinião do empresário.

A Berneck trabalha em parceria com a Universidade Federal de São Carlos (SP) para concluir os estudos que vão ajudar a normatizar o processo. "Essa norma vai fomentar o mercado no país e abrir para o desenvolvimento local de tecnologias já disponíveis em outros lugares com os recursos que temos aqui", prevê.

Com mercado ainda incipiente, qualquer alteração nas vendas aponta para um crescimento positivo, ainda que fique distante da proporção das construções em wood frame nos EUA e Europa, de 95% e 60%, respectivamente. "É preciso adaptar as técnicas com os recursos disponíveis e tirar da madeira o seu melhor desempenho", diz.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]