i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Made in China

Importação de produtos chineses cresceu 56,9% em 2008

Exportações para os Estados Unidos cresceram apenas 7,9% . Venda de produtos para países em desenvolvimento subiu 29,1%

  • PorG1/Globo.com
  • 02/01/2009 13:52

A importação de produtos chineses cresceu 56,9% em 2008 em comparação com 2007 e atingiram US$ 20 bilhões. A exportação de produtos brasileiros para o país asiático também cresceu quase na mesma proporção (50,8%), chegando a US$ 16,4 bilhões. A balança comercial brasileira fechou o ano de 2008 com um superávit de US$ 24,7 bilhões, o pior resultado desde 2002.

O resultado detalhado da balança comercial, divulgado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, mostra a Ásia como a região que mais aumentou a compra de produtos brasileiros. Puxada pela China, as exportações para a Ásia cresceram 47,5%. O mesmo aconteceu em relação às importações, uma vez que o Brasil comprou 51,6% a mais da região no ano passado.

Proporcionalmente entre os maiores compradores, o intercâmbio comercial com os Estados Unidos foi o que menos cresceu. As exportações para a maior potência mundial cresceram apenas 7,9%, enquanto as importações registraram aumento de 35%. Mesmo assim, os Estados Unidos ainda aparecem como o país que mais realiza comércio com o Brasil.

O secretário de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Welber Barral, afirma que os dados mostram a mudança no perfil das exportações brasileiras, que vêm crescendo de forma mais forte para os países emergentes.

Os números do ministério mostram que as exportações brasileiras para países desenvolvidos cresceram 17,1%, enquanto a venda de produtos para países em desenvolvimento subiu 29,1%.

Produtos

De acordo com os números do ministério, o maior crescimento da exportação foi registrado entre os produtos básicos (39,9%), como soja em grão, minério de ferro, petróleo bruto e carne de frango. Entre as importações, os produtos de maior destaque foram os combustíveis e lubrificantes e bens de capital.

Barral destaca que a crise financeira internacional provocou mudanças no perfil das exportações brasileiras a partir do mês de novembro. Ele destaca que a queda do ritmo de crescimento afetou mais as exportações para os países desenvolvidos.

Em relação aos produtos, o secretário destaca que, com exceção do minério de ferro, as exportações brasileiras seguiram em crescimento mesmo depois de novembro.

Sobre o preço das commodities, que vem caindo desde a metade de 2008, Barral observa que os valores ainda são superiores aos praticados em 2007. "Para boa parte dos exportadores, a queda do preço foi compensada pela alta do dólar", disse o secretário.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.