i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Compagas

Indústria aguarda queda no preço do gás natural

  • PorAndré Lückman
  • 24/04/2009 21:03

A Compagas, distribuidora de gás natural do Paraná, é a única da região Sul que ainda não repassou queda no preço do insumo aos seus consumidores. A redução de preço nos outros estados deve-se a uma revisão contratual feita entre a Bolívia e a Petrobras no início do mês. Baseadas nisso, as indústrias paranaenses consumidoras do combustível irão apresentar, no próximo dia 29, uma proposta de redução do preço em 17%.

Para unificar o discurso no pleito, o setor produtivo reuniu-se esta semana na Federação das Indústrias do Paraná (Fiep). O presidente do Sindicato das Indústrias de Vidros, Pisos, Cerâmica e Porcelana do Paraná (Sindilouça-PR), José Canisso, diz que os quatro componentes que norteiam o preço do gás natural já tiveram queda – dólar, petróleo, transporte e a própria commodity boliviana. "Por causa disso, nós não queremos falar em desconto. O termo certo é que se tenha uma nova tarifa, compatível com a nova realidade", diz Canisso, representante dos setores que consomem aproximadamente 50% do gás natural industrial fornecido ao estado.

Estimativa

O diretor do Centro Brasileiro de Infra-Estrutura, Adriano Pires, avalia que a redução no preço do gás boliviano comprado pela Petrobras seja da ordem de 18%. Novas reduções, no entanto, devem acontecer até o fim do ano. "É certo que o preço do gás natural tem que cair a partir de abril, com novas reduções em julho e também em outubro. Isso é obrigatório, se não cair, alguém no meio do processo estará acumulando uma margem de lucro muito alta", frisou. Mas ele também destacou que a responsabilidade não é exclusiva das distribuidoras: quem fixa as tarifas sobre o gás natural é o governo do estado.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.