034222

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Economia
  3. Indústria naval derrete após Lava Jato

negócios

Indústria naval derrete após Lava Jato

Símbolo da retomada econômica do governo Lula, setor demite e encolhe a produção após escândalo

  • Rio de janeiro
  • Agência O Globo
Navio em construção no Atlântico Sul, em Pernambuco. | Fotos Públicas
Navio em construção no Atlântico Sul, em Pernambuco. Fotos Públicas
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A indústria naval brasileira experimentou uma reviravolta nos últimos tempos. Da euforia da retomada na última década, quando crescia 19,5% ao ano, o setor passou a um quadro de demissões em massa e incertezas, em razão dos casos de corrupção que assolam a Petrobras e parte de seus fornecedores.

A recuperação do setor, praticamente inexistente desde os anos 1980, foi um dos pilares do governo de Luiz Inácio Lula da Silva desde o primeiro mandato em 2003, quando anunciou em palanques a construção de plataformas para a Petrobras no país. Da pujança naval, resta agora apenas a lembrança das promessas e o silêncio das autoridades, além de milhares de desempregados.

Desde o início do ano passado, os estaleiros já demitiram cerca de 28 mil trabalhadores. Se somados os reflexos no setor de máquinas e equipamentos, o número de desempregados já supera os 34 mil. E a crise não deve parar por aí. Estima-se que ao menos outros 12,2 mil empregos estão em xeque nos principais polos navais do Brasil, dizem os sindicatos.

Os pequenos municípios de Maragojipe, na Bahia, e Rio Grande, no Rio Grande do Sul, ajudam a ilustrar esse cenário. Nas duas localidades, as demissões já se refletem na economia.

O corte de vagas é resultado do cancelamento de encomendas da Petrobras, com a Operação Lava Jato. Há ainda o imbróglio envolvendo a Sete Brasil, criada para construir 29 sondas para o pré-sal e que tem a Petrobras entre seus sócios.

Citada na delação premiada de Pedro Barusco, ex-gerente da Petrobras, a Sete Brasil enfrenta problemas de caixa em razão do atraso do BNDES em liberar um financiamento de US$ 21 bilhões. A crise já forçou um dos bancos a solicitar pagamento antecipado de um empréstimo ao Fundo Garantidor da Construção Naval.

Com as denúncias de corrupção, a Petrobras reduziu os investimentos em 30% este ano, para US$ 31 bilhões, e trabalha na redução de seu novo plano de negócios, o que já é sentido pelos estaleiros.

Além disso, a crise financeira na Sete Brasil afetou em cheio cinco estaleiros, que estão sem receber desde novembro: a dívida chega a US$ 1,25 bilhão.

Um dos casos mais graves é o do Paraguaçu, em Maragojipe, que, após ter 7,2 mil trabalhadores, conta hoje com 576 operários. Ela é controlada por Odebrecht, OAS e UTC, proibidas de serem contratadas pela Petrobras por formação de cartel.

Rio Grande atraiu operários, agora desocupados

  • rio grande (RS)

No auge da produção de seu polo naval, na década passada, Rio Grande atraiu 10 mil operários de fora do estado. Mas o sonho de trabalhadores como o mineiro Milton Guimarães e o baiano Wlisses Michel Gomes de fincar raízes na cidade está chegando ao fim: desempregados, os dois “trecheiros” – como são conhecidos os trabalhadores nômades que percorrem o país em busca de oportunidade em obras – já arrumam as malas para pegar a estrada.

Desde novembro de 2013, quando as obras da P-58 foram concluídas, o nível de ocupação nos estaleiros de Rio Grande não para de cair. De 24 mil trabalhadores diretos em janeiro daquele ano, o polo emprega pouco mais de 8 mil hoje, dos quais menos de 2 mil são de outros estados. A cidade tem hoje um contingente de 3 mil desempregados de fora do estado, e de 4 mil que nasceram na cidade.

O último baque foi a conclusão da P-66, em dezembro, que deixou Milton, de 30 anos, e Wlisses, de 37 anos, a ver navios.

Logo que terminou a montagem da P-66, a presidente Dilma Rousseff e a então presidente da estatal, Graça Foster, foram a Rio Grande assinar os contratos de construção das plataformas P-75 e P-77 por meio de um consórcio entre Queiroz Galvão, Camargo Correa e Iesa (QGI). A previsão era para que as obras começassem no fim do ano passado, mas as investigações interromperam a transferência de recursos para as empresas e os projetos foram temporariamente suspensos.

A Camargo Correa desistiu do negócio e a Inepar, controladora da Iesa, entrou em recuperação judicial. Restou a Queiroz Galvão, que ainda negocia o preço do contrato.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE