i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Distorções

Intervenção do governo afeta produção de carne e leite na Argentina

  • PorAgência Estado
  • 27/07/2013 21:03

O resultado da política de intervenção oficial na Argentina é visível na mesa e nos mercados do país.

O preço de um corte médio, como o contra filé, ao consumidor não custa menos que 40 pesos, enquanto o produtor recebe apenas 16,33 pesos por quilo. De cada 100 quilos de carne bovina produzida, 93 são destinados ao abastecimento doméstico e apenas sete, à exportação.

"Esta relação é a mais baixa de todos os tempos", diz Arturo Llavallol, diretor do Instituto de Promoção de Carne Bovina. Até 2006, a Argentina exportava entre 15% a 20% de sua produção, e até 85% eram consumidos internamente. Nesse intervalo, a Argentina caiu do terceiro lugar no ranking de exportadores de carne, quando exportava cerca de 700 mil toneladas por ano, para o 11.º posto, com vendas de apenas 160 mil toneladas anuais. Desde 2006, o país perdeu 10 milhões de cabeças de gado.

Segundo a Fundação Pensar, a menor venda de carne implicou em uma entrada menor de divisas no país em torno de US$ 5 bilhões por ano. Para exportar carne, é necessária uma licença e o pagamento de 15% de retenção.

Para o presidente da Sociedade Rural da Argentina, Luis Miguel Etchevehere, o governo se apropria da renda agropecuária ao tirar o capital dos produtores. Com isso, diz ele, o governo contraria a política de defesa da mesa dos argentinos: não há produção suficiente de trigo; a carne é cara; 130 frigoríficos foram fechados e 13 mil trabalhadores estão desempregados.

A produção de leite é outra vítima da política kirchnerista, segundo Guillermo Giannasi, da Federação Agrária Argentina (FAA). "A produção é a mesma que há 14 anos, com a diferença que existem 6 mil fazendas produtoras a menos", disse ele. Desde 2008, o preço ao produtor aumentou 177%, enquanto ao consumidor o aumento foi de 321%.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.