i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
inflação

IPCA fica próximo de zero pelo terceiro mês seguido

Índice é o menor para agosto desde 1998 e deixa o acumulado de 12 meses perto do centro da meta traçada pelo Banco Central

  • PorFolhapress e Agência Estado
  • 09/09/2010 21:23
Veja o gráfico a variação do IPCA em Curitiba e Região Metropolitana |
Veja o gráfico a variação do IPCA em Curitiba e Região Metropolitana| Foto:

A menor pressão dos alimentos e o ritmo mais lento da economia mantiveram a inflação estável em agosto. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,04%, leve aceleração frente à variação de 0,01% observada no mês anterior. Foi a menor variação para esse índice de preços em um mês de agosto desde 1998, quando foi registrada deflação de 0,51%, diz o IBGE. Com isso, a taxa acumulada em 12 meses teve novo recuo e chegou a 4,49%, alinhada com o centro da meta estipulado pelo Banco Central (BC), de 4,5% ao ano.

Em agosto, os alimentos tiveram deflação de 0,24%, ante variação negativa de 0,76% em julho. A principal influência veio da batata inglesa (-22,40%) e do feijão carioca (-11,23%). Por outro lado, as carnes ficaram 2,11% mais caras em agosto e contribuíram com 0,05 ponto porcentual para o índice, a maior influência positiva na taxa.

Os produtos não alimentícios tiveram desaceleração e registraram inflação de 0,12%, ante 0,24% em julho. As principais influências sobre o indicador no mês passado foram os custos com transporte, com queda de 0,09% ante alta de 0,08% anteriormente, e habitação, que teve aumento de 0,23% depois de alta de 0,54% em julho.

Segundo os economistas ouvidos pelo Banco Central para o boletim Focus, divulgado na última segunda-feira, a expectativa para a inflação deste ano é de 5,07%.

O economista-chefe do Banco Schahin, Silvio Campos Neto, afirmou ontem que a taxa levemente positiva do IPCA de agosto confirmou a melhora no cenário de inflação do país. Ele considerou o resultado como "benigno" e destacou que o cenário favorável não está restrito apenas a um grupo, mas a uma parte bastante abrangente do indicador do IBGE. "O IPCA veio muito tranquilo, com os grupos apontando variações reduzidas e nada muito preocupantes. E com a maioria dos núcleos também mais baixos", avaliou Campos Neto. "Corrobora com o cenário do BC de melhora na dinâmica inflacionária de curto prazo. Isso ficou muito claro nestes últimos três meses de inflação quase zero que tivemos", salientou.

Na ata do Comitê de Política Monetária (Copom) divulgada ontem, o BC reduziu as previsões de inflação para os próximos dois anos. Disse ainda que o risco de que os preços fiquem acima da meta é cada vez menor. Para o Banco Central, a desaceleração da economia internacional terá influência "desinflacionária" sobre o Brasil.

Na semana passada, o Copom manteve a taxa básica de juros (Selic) em 10,75% ao ano. E o cenário traçado pela ata é de juros estáveis neste e no próximo ano, avaliação que não é compartilhada pela maior parte do mercado.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.