i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Televisão

Lei garante conteúdo nacional na tevê paga

  • PorDa Redação
  • 17/06/2010 21:03

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou na semana passada, em caráter conclusivo, o projeto de lei que regulamenta o mercado de tevê por assinatura e permite a entrada das empresas de telefonia no setor. Agora ele seguirá para análise do Senado.

A proposta cria cotas de conteúdo nacional e independente nos canais e pacotes de tevê por assinatura. Nos planos oferecidos pelas empresas, a cada três canais que veiculam majoritariamente filmes, documentários, séries, novelas e programas de variedades, ao menos um deverá ser brasileiro. Além disso, as emissoras devem transmitir pelo menos três horas e meia por semana de conteúdo brasileiro, no horário nobre. Metade desta cota deverá ser produzida por produtoras independentes. As informações são da Agência Brasil e da Agência Câmara.

Canais religiosos

Duas emendas no projeto visam a garantir que os canais abertos religiosos sejam transmitidos pelas operadoras de tevê por assinatura. Um outro substitutivo, da Comissão de Ciência e Tecnologia, estabelece que as operadoras de tevê a cabo deverão oferecer ao público, gratuitamente, a programação da tevê aberta transmitida em tecnologia analógica. O texto, contudo, determina que, em caso de inviabilidade técnica ou econômica comprovada, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) poderá retirar a obrigatoriedade de transmissão desses canais. Por causa dessa exceção, os canais religiosos te­­miam que fossem excluídos dos pacotes das operadoras.

A primeira emenda deixa explícito que a operadora de tevê por assinatura deverá oferecer os canais da televisão aberta em todos os pacotes, independentemente da tecnologia de distribuição empregada. Já a segunda emenda estabelece que, no caso de a Anatel determinar que parte da programação não precisa ser distribuída em razão de inviabilidade técnica ou econômica, ao menos um canal religioso em cada localidade será priorizado.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.