i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Investimentos

Até o fim de 2017, poupança vai ter uma janela de oportunidade. Entenda

Até a Selic chegar aos 8,5% ao ano, algo esperado para outubro de 2017, não é que a boa e velha poupança não será uma vilã dos investimentos

  • PorFabiane Ziolla Menezes
  • 12/07/2017 17:41
Essa boa onda da poupança mudará quando a taxa básica de juros chegar a 8,5% ao ano. | Marcelo AndradeGazeta do Povo
Essa boa onda da poupança mudará quando a taxa básica de juros chegar a 8,5% ao ano.| Foto: Marcelo AndradeGazeta do Povo

Até os últimos meses de 2017 a poupança não será uma vilã dos investimentos. A previsão do mercado é de que a taxa básica de juros chegue aos 8,5% ao ano em setembro ou outubro deste ano. Até lá, a poupança renderá 0,5% ao mês mais TR (Taxa Referencial), ou seja, muito mais do que muitos fundos de renda fixa por aí, principalmente em tempos de inflação baixa — tivemos, inclusive, uma deflação do IPCA em junho e o indicador está em 3,14% em 12 meses — e se esses fundos tiverem taxas de administração altas.

LEIA MAIS sobre finanças, carreira e empreendedorismo

Por taxas altas de administração, os especialistas entendem mais de 2% ao ano, fatia que complica o retorno dos fundos se o resgate for feito em um prazo menor do que um ano. É que, diferentemente da poupança, os fundos estão sujeitos ao desconto do Imposto de Renda. Por isso, as comparações entre os dois tipos de investimento também precisam levar em conta o prazo do resgate. 

Veja um vídeo do especialista em finanças e blogueiro Teco Medina sobre o assunto

Para atingir o mesmo ganho da poupança neste momento, em que a Selic está em 10,25% ao ano, segundo dados da Associação Nacional de Executivos de Finanças (Anefac), uma aplicação em CDB teria de render 85% do CDI para empatar com a poupança.

Esse cenário não chega a ser uma grande novidade — os brasileiros viveram isso no segundo semestre de 2013, quando a Selic estava na casa dos 9,5% ao ano — , mas é bastante relevante para quem tem uma postura ativa em relação ao dinheiro e já assumiu as rédeas de seus investimentos.

LEIA TAMBÉM: Como trabalhar menos de 10 anos, segundo alguém que se aposentou milionário em 5

Essa boa onda da poupança mudará quando a taxa básica de juros chegar a 8,5% ao ano. Pela norma vigente desde 4 de maio de 2012, os depósitos feitos na caderneta a partir dessa data renderão 70% da Selic mais TR  sempre que a taxa básica for menor ou igual a 8,5% ao ano. Para depósitos anteriores a 4 de maio de 2012, o retorno é sempre de 0,5% ao mês mais TR.

A expectativa do mercado é de que a Selic caia mais 0,75 ponto percentual e chegue até o fim de 2017 a 8,25% ao ano. Entre os analistas Top-5, aqueles que mais acertam as previsões, a Selic cairá a 8% ao ano ainda neste ano e chegará a 7,88% em 2018. É claro que as denúncias de corrupção, entre elas aquela que pesa contra o presidente Michel Temer neste momento, podem mudar esse cenário. Mas, por ora, as expectativas são essas.

OUÇA TAMBÉM: Vida Financeira 07#: Os 3 péssimos hábitos dos brasileiros com o dinheiro

Para quem não quer se arriscar mas também quer ganhar um pouco mais do que promete render a poupança nessa janela de oportunidade,  os títulos do Tesouro Direto, os fundos com baixas taxas de administração e o CDI continuarão sendo opções melhores. 

No caso dos títulos públicos, aqueles pré-fixados, que estão pagando juros de cerca de 10% mais a inflação, ou ainda aqueles atrelados ao IPCA, que cobrem a inflação e mais de 5% de rendimento no final do prazo previsto, são boas opções.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.