Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

inovação self-service

Mogô: o robô-balança que pesa, entrega comanda e controla operações de buffet

O atendimento inovador feito por robô foi desenvolvido pela startup Mogo Sistemas, de Pato Branco

  • Carol Nery Especial para a Gazeta do Povo
Flavio Medeira  e André Neckel, da Mogo Sistemas, apresentam o Mogô. | Thais Langer
Flavio Medeira e André Neckel, da Mogo Sistemas, apresentam o Mogô. Thais Langer
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A tendência do autoatendimento, implantado há algum tempo em grandes redes de supermercados e de cinemas, por exemplo, chegou a um restaurante self-service de Pato Branco, no Sudoeste do Paraná, como um suporte no fim da fila do buffet. No Divino Sabor, que fica no Centro da cidade, a funcionária responsável pela balança ganhou novas atribuições e foi substituída por um robô, que pesa o prato de refeição e entrega a comanda ao cliente em poucos segundos. O atendimento mais humanizado, porém, não foi deixado de lado. A máquina recepciona com boas-vindas na chegada e deseja bom-apetite ao finalizar o processo.

A balança inteligente chama Mogô foi criada pela startup local Mogo Sistemas, especializada em soluções para o setor de gastronomia desde 2012. Segundo o diretor-geral Flavio Medeira e o diretor de desenvolvimento André Neckel, o recurso inovador foi pensado para proporcionar maior agilidade no atendimento aos consumidores e economia de dinheiro para as empresas. Foi o que percebeu o proprietário do Divino Sabor, Banez Brugnera, no período de 45 dias de testes do equipamento no restaurante. “O andamento da fila está mais veloz. Em menos de cinco segundos o cliente é atendido, muito mais rápido do que qualquer funcionário leva para fazer o mesmo processo. Além de não precisar arcar com custos de ter um funcionário somente para fazer isso”, conta.

LEIA TAMBÉM: Ela já foi boia-fria e hoje fatura milhões de reais com franquia de bolos artesanais

Segundo o empresário, a agilidade na fila aumentou de 30% a 40% e o clima é muito mais descontraído no local, pela presença do atendente robotizado. “O Mogô interage com as pessoas e isso faz com que seja mantido o atendimento caloroso, mesmo não sendo um humano.” Outra vantagem, revela Brugnera, é a melhoria do controle e organização das operações diárias. Isso porque o Mogô calcula informações como a quantidade de refeições e quilos servidos, valor total de vendas, custo médio e lucro, instantaneamente. “É só dar um comando para ter todos os dados. Antes, era preciso perder pelo menos meia hora fazendo e refazendo cálculos. O Mogô passou no teste já na primeira semana, com uma aceitação muito grande não somente pelos clientes, mas pela administração.”

O projeto do Mogô começou a ser desenvolvido em agosto de 2017 e o equipamento nasceu em dezembro, com 2,5 quilos, 38 centímetros de altura e 20 centímetros de largura. “O robô passou por um mês de testes no Divino Sabor e detectamos poucos ajustes a fazer, como direcionamento de áudio, layout interno e melhora de performance. O segundo modelo deverá estar pronto em poucos dias”, conta Medeira. Os sócios adiantam que pretendem otimizar a interação do robô com os consumidores, com o uso de inteligência artificial. “Hoje são várias mensagens diferentes gravadas. Com esta evolução, poderemos tornar mais rica a experiência de troca de diálogo com o Mogô.”

A Mogo Sistemas protocolou, por meio do programa Sebraetec - Serviços em Inovação e Tecnologia, do Sebrae, pedidos de patente do Mogô e do software junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi), que têm prazo de até 18 meses e 120 dias, respectivamente, para serem publicados.

LEIA TAMBÉM: Maquininhas de cartão: são tantas, mas qual é a ideal para o seu negócio?

Cem primeiras unidades do Mogô estão disponíveis em pré-venda

O primeiro lote do Mogô tem cem unidades e está disponível para compra por meio de inscrição no site (robo.mogo.com.br). Nesta pré-venda, os preços variam: R$ 2,6 mil para os dez primeiros; R$ 3,2 mil aos próximos; R$ 3,8 mil aos próximos 30; e R$ R$ 4,7 mil aos últimos 40. O valor de mercado, a partir do segundo lote, será de R$ 5,9 mil. O pagamento pode ser feito por boleto bancário, cartão de crédito ou cartão do BNDES. Aos compradores do primeiro lote não serão cobradas mensalidades, para manutenção de hardware e software. O valor ainda será definido.

A startup atende 240 clientes do ramo da gastronomia em todo o país. A ideia é que o Mogô seja admitido em todos os estabelecimentos cobertos pela empresa. A estimativa é aumentar em quatro vezes a quantidade de clientes por conta do robô. “Temos a expectativa de um aumento de 30% em nossas receitas em 2018 e que a empresa fature pelo menos R$ 1,2 mi neste período. Para 2019, nosso objetivo é dobrar esta marca”, revela Medeira.

LEIA TAMBÉM: Baggio lança pizza em fatias para faturar mais com investimento menor

Mogô participa de competição de tecnologia no setor de alimentação

Hoje com 19 colaboradores, a Mogo Sistemas foi selecionada entre as 20 finalistas do Desafio Sebrae Like a Chef, uma competição de startups com soluções e tecnologias disponíveis para o mercado de alimentação. O Mogô será levado para a disputa na Fispal, maior feira do setor de alimentação fora do lar, sorveterias e cafeterias profissionais da América Latina, de 12 a 15 de junho, em São Paulo. Serão premiadas as três melhores startups do segmento, com possibilidade de mentoria e investimentos, e ganharão passaporte para participar do Like a Boss, em outubro.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE