Líderes do setor energético debateram neste domingo (24) com que preço o petróleo ativaria o investimento no setor sem ferir uma recuperação global mais ampla, no momento em que a Arábia Saudita, maior produtor mundial do gênero, prevê uma cotação chegando a até 75 dólares o barril.

Os ministro de energia do G8 se encontram em Roma diante de um cenário de alta de preços que elevou o petróleo a seu pico nos últimos seis meses, o que levou atores-chave como os EUA a implorar à Organização dos Países Produtores de Petróleo (Opep) que mantenha seu foco na estabilidade de preços.

A Arábia Saudita, maior e mais influente do grupo de doze membros, disse que a Opep "provavelmente manterá o rumo" quando se encontrar em Viena na quinta-feira, e indicou a perspectiva de um possível aumento na demanda e nos preços.

"A demanda vai crescer quando a economia se recuperar", disse o ministro saudita do petróleo Ali al-Naimi a jornalistas, recusando-se a especular sobre quando isso poderia ocorrer.

Ele tampouco quis prever quando os preços atingiriam a marca dos 75 dólares, que os produtores dizem ser necessária para encorajar o investimento na nova produção a longo prazo.

"Pode ser amanhã ou daqui a dez anos, mas vai acontecer, só não sei quando", disse Naimi.

A Agência Internacional de Energia disse que o investimento na produção de gás e petróleo vai cair 21 por cento em 2009 por culpa da crise financeira e da desaceleração econômica decorrente.

Roberto Poli, presidente da companhia de petróleo italiana Eni, disse que a "média mágica" para o preço do petróleo ser alto o suficiente para incentivar investimentos sem ferir a economia é de 60-70 dólares o barril, enquanto Umberto Quadrino, executivo-chefe da Edison, colocou essa marca em torno de 60-80 dólares o barril.

"A experiência do último ciclo de preços demonstrou que, para garantir um crescimento econômico estável, o preço não deve passar de 75 dólares o barril," disse Poli. "A instabilidade e a imprevisibilidade no preço do petróleo são os piores inimigos de qualquer plano cuidadoso para construir um futuro energético diferente."

O petróleo chegou esta semana a mais de 60 dólares o barril, sua maior cotação em seis meses, quase o dobro do preço mais baixo de dezembro passado e muito acima dos 50 dólares que a Arábia Saudita disse poder aceitar para ajudar a economia mundial a crescer.

Os ministros da Opep não devem realizar nenhuma mudança em relação ao suprimento de petróleo quando se encontrarem em Viena na semana que vem, já que os preços mais altos contêm suas preocupações com volumosos estoques e a maior queda na demanda em anos.

Uma fonte graduada no Golfo Pérsico disse que o grupo vai se ater às suas metas atuais, mas ressalta a necessidade de obediência. Entretanto, o representante do Irã disse que os preços mais altos do petróleo estão induzindo alguns membros da Opep a acreditar numa falsa sensação de segurança.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]