i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Salários

Montadoras voltam a negociar em SP

  • PorAgência Estado
  • 14/09/2010 21:13

São Paulo - Sob a ameaça de greve nas fábricas, as montadoras decidiram ontem reabrir as negociações com representes dos metalúrgicos para discutir o reajuste salarial da categoria. O Sindicato Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Sinfavea) chamou os sindicalistas para uma reunião hoje, às 14 horas, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista. Os metalúrgicos de montadoras paulistas estão em estado de greve desde sábado, quando rejeitaram proposta das empresas de 7% de reajuste salarial.

As negociações envolvem 50 mil metalúrgicos do ABC, Taubaté, Tatuí e São Carlos. Em anos anteriores, as negociações com as montadoras eram sempre as primeiras a chegar a acordos favoráveis aos trabalhadores, servindo de base para as negociações nos outras ramos da indústria metalúrgica. Não foi assim desta vez.

Os cerca de 20 mil metalúrgicos das fábricas paulistas da General Motors conquistaram reajuste de 9%, que representa aumento de 4,52% acima da inflação. Esse também foi o índice conquistado pela maioria dos metalúrgicos da Central Única dos Trabalhadores (CUT) no estado, em acordos com três das cinco bancadas patronais. Os acordos beneficiam cerca de 195 mil metalúrgicos de setores como autopeças, forjaria e parafusos, fundição, máquinas e eletrônicos, trefilação e laminação de metais ferrosos, entre outros. Na reunião de hoje, os sindicalistas devem reivindicar um índice maior que o obtido na GM para reajustar os salários nas demais montadoras.

Paranaenses

A exemplo do que ocorreu em anos anteriores, no Paraná as reuniões com o sindicato patronal não evoluíram, e os trabalhadores partiram para a negociação individual, empresa por empresa. Os metalúrgicos paranaenses pedem aumento total de 13%, o que corresponde a um reajuste real de 8,4%, mais abono de R$ 3,5 mil.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.