i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Balança comercial

Nem dólar alto salva superávit

Redução da demanda mundial e queda dos preços das commodities afetarão vendas externas do Brasil

  • PorCristina Rios
  • 18/10/2008 22:00
Exportações brasileiras estão sujeitas a câmbio, recessão e tempestades | Daniel Castelano/Gazeta do Povo
Exportações brasileiras estão sujeitas a câmbio, recessão e tempestades| Foto: Daniel Castelano/Gazeta do Povo

Diário da crise

Embora a semana tenha começado com otimismo no embalo do anúncio de um pacote de socorro ao sistema financeiro na Europa, o clima de pessimismo voltou a reinar com novos sinais de recessão.

Bolsa em baixa

Em mais uma semana de turbulência, a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) encerrou a semana aos 36.399 pontos, com queda de 0,12% na sexta-feira, depois de acionar, na quarta-feira, pela terceira vez nesse ano, o circuit breaker, mecanismo que suspende o pregão quando o Ibovespa cai mais de 10%.

Demissões

Nos EUA, a General Motors anunciou que 1,6 mil funcionários de três fábricas americanas serão mandados embora.

Prejuízo

No Brasil, as perdas começam a aparecer nos balanços. A Klabin teve prejuízo de R$ 253 milhões. A Aracruz Celulose revelou perdas de R$ 1,642 bilhão e Votorantim Papel e Celulose (VCP), de R$ 586 milhões. A Sadia deve ter o primeiro prejuízo em 64 anos.

Real fraco

O dólar, que chegou a valer R$ 1,56 em agosto, voltou a se valorizar, obrigando o Banco Central a fazer leilões de moeda para baixar a cotação. Na sexta-feira, ele fechou a R$ 2,12.

  • Veja o saldo da Balança Comercial

A desaceleração econômica e a queda dos preços das commodities devem anular parte dos ganhos provocados pelo dólar forte nas exportações. Apesar de a moeda americana, que acumula uma valorização de 36% desde agosto, tornar mais competitivos os produtos nacionais no exterior e turbinar as receitas em reais, os exportadores dizem que a retração provocada pela crise deve reduzir a demanda, com reflexo também sobre os preços.

As previsões variam, mas a maior parte dos analistas prevê queda no saldo da balança comercial (diferença entre exportações e importações) dos US$ 25 bilhões esperados para 2008, para até US$ 5 bilhões em 2009. Os superávits recordes, que ajudaram a elevar as reservas do país nos últimos anos, não devem mais se repetir.

Para o vice-presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, não "será surpresa" se a balança registrar déficit no próximo ano. "Com as economias dos EUA, da Europa e do Japão em recessão, a tendência é que os importadores comprem menos, com reflexo também nos preços dos produtos", diz.

No caso das commodities, os preços já caíram 25% em média nesse ano. Uma simulação da AEB com uma cesta de 15 commodities, como soja, milho, açúcar, petróleo, cobre, alumínio e níquel, demonstrou uma perda de US$ 9,5 bilhões em função da queda das cotações. "Estamos falando apenas de preço, sem contar a redução do ritmo de encomendas", diz Castro.

"Se estendermos esse raciocínio para toda a pauta de commodities, estamos falando de uma redução de US$ 32,5 bilhões", diz. Algumas empresas, como as fabricantes de celulose Suzano e Votorantim Papel e Celulose (VCP), já anunciaram que pretendem reduzir a produção por conta da diminuição da demanda global e a tendência de queda de preços.

No caso dos produtos manufaturados, o benefício do câmbio vai depender de dois fatores, segundo o coordenador do departamento econômico da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Maurílio Schmitt. De um lado, o dólar forte encarece os preços dos insumos importados, o que aumenta custos em alguns setores. De outro, os clientes no exterior tendem a pedir redução de preços.

Alguns setores já começaram a sentir os efeitos dessa pressão, como o madeireiro e moveleiro. Responsável por 5,71% das exportações do Paraná, a indústria da madeira não está fechando negócios, de acordo com o o vice-presidente da Associação Brasileira da Indústria da Madeira Processada Mecanicamente (Abimci), Juliano Vieira de Araújo. "Além da forte oscilação do câmbio, o comprador lá fora está exigindo descontos no preço para compensar o câmbio", diz.

O aumento de preços de insumos importados ou cotados em dólar – como vernizes e tintas – e a recessão nos EUA jogaram um balde de água fria no setor de móveis, segundo o presidente da Abimóvel, que reúne o setor, José Luiz Dias Fernandez. "A subida rápida do dólar é mais prejudicial do que benéfica. O comprador do nosso produto sabe que o câmbio nos favorece e negocia redução de preço em troca de manutenção de volumes", diz.

Mesmo com o real desvalorizado, o setor revisou de 5% para 2,5% a projeção de crescimento das exportações para 2008 em relação ao ano passado, quando atingiram US$ 1,1 bilhão. Embora tenha diminuído sua participação de 52% para 30% no total exportado pelo Brasil, os EUA ainda são o maior comprador isolado. "A receita agora é diversificar mercado e reduzir a dependência dos americanos, que devem comprar menos", afirma.

Em um cenário de turbulência, um ponto a favor das empresas brasileiras é justamente a diversificação de destinos de exportação nos últimos anos. No caso do Paraná, por exemplo, a China superou a Argentina e passou a ocupar o primeiro lugar na corrente de comércio – soma das exportações e das importações –, com US$ 2,5 bilhões de janeiro a setembro. A economia chinesa deve ser menos afetada pela crise internacional e manter o crescimento, ainda que em um ritmo menor.

Falta crédito para tocar exportações

A contração do crédito para exportação, ainda que temporária, também deve afetar o ritmo de venda externas, com reflexo sobretudo no primeiro trimestre de 2009. De acordo com o vice-presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, as empresas ainda aguardam medidas mais agressivas do governo federal, que prometeu usar US$ 20 bilhões – cerca de 10% da reservas – para financiar exportações.

Segundo o Banco Central, a contratação de operações de Adiantamento de Contrato de Câmbio (ACC) – que serve para financiar a produção que será exportada – caiu à metade nos primeiros dias de outubro. A média diária foi de US$ 116 milhões em outubro, até o dia 10, bem abaixo dos US$ 238 milhões de setembro. Na sexta-feira, o Banco Central anunciou para amanhã um leilão que vai oferecer US$ 2 bilhões para financiamento das exportações.

Segundo o diretor financeiro e de relações com investidores da Klabin, Sergio Alfano, outro problema é o aumento expressivo do custo dessas linhas. "Deixamos temporariamente de ir a esse mercado por conta do aumento das taxas", afirma. Por conta da redução da oferta de crédito, a General Motors do Brasil anunciou uma redução de pouco mais de 10% nas exportações nesse ano – dos 90 mil veículos previstos inicialmente para 80 mil.

A escassez de linhas é reflexo da crise financeira internacional, que fez os bancos estrangeiros cortarem linhas de financiamento a instituições brasileiras. A diminuição levou os bancos a serem mais conservadores na concessão de financiamentos a exportadores. (CR)

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.