i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
estratégia digital

Após focar no digital, ações do Magazine Luiza sobem 504,5% em 2017 e empresa entra no Ibovespa

Ações do Magazine Luiza ganharam volume de negociação suficiente para que o papel passasse a integrar a partir desta terça-feira (2) a carteira do Ibovespa, principal índice da bolsa

    • Da Redação, com Folhapress
    • 02/01/2018 14:10
     | Reproduç]ao/YouTube
    | Foto: Reproduç]ao/YouTube

    Após subir 504,5% em 2017, as ações do Magazine Luiza ganharam volume de negociação suficiente para que o papel passasse a integrar a partir desta terça-feira (2) a carteira do Ibovespa, principal índice da bolsa que agrega as ações mais negociadas nos últimos meses. A permanência da empresa no índice vigora até 4 de maio deste ano, quando é feita uma nova análise para determinar quais empresas vão compor o índice.

    De acordo com informações da B3, a bolsa de valores brasileira, as ações da Magazine Luiza entram no índice ao lado dos papéis de Fleury (alta de 66,1% em 2017), Iguatemi (+ 47,7%), Sanepar (que estreou dia 22 e teve queda de 0,96% no ano) e Via Varejo (+127,6%). Nenhum papel saiu do índice. Ao todo, o índice tem 64 ações de 61 empresas diferentes.

    Além do Ibovespa, as ações do Magazine Luiza passaram a fazer parte do Índice Brasil 50. Conhecido por IBrX-50, o índice reflete o desempenho médio das cotações das 50 ações de maior negociabilidade e representatividade do mercado de ações brasileiro.

    Foco no digital

    A entrada do Magazine Luiza no Ibovespa é um marco para a empresa. Fundada em 1957, a companhia sempre foi uma empresa tradicional do varejo brasileiro, vendendo, principalmente, eletrodomésticos e eletroeletrônicos. No fim de 2015, porém, decidiu focar no digital e transformar o negócio em uma gigante do comércio digital.

    LEIA MAIS: Saiba por que o lucro do Magazine Luiza não para de crescer

    “Nosso objetivo é transformar o Magazine Luiza, passando de uma empresa de varejo tradicional com uma área digital, para uma plataforma digital, com pontos físicos e calor humano”, afirmou Frederico Trajano em teleconferência com investidores no fim de 2015, pouco antes de assumir a presidência.

    Uma das primeiras ações executadas foi a integração das lojas físicas com o e-commerce. Hoje, as lojas e os canais digitais de venda do Magazine Luiza funcionam como uma única operação. Os dez centros de distribuição da companhia atendem tanto a operação on-line quanto off-line. E o estoque ficou centralizado.

    O Magazine Luiza também lançou o “retire da loja”, que permite que uma compra feita on-line seja retirada em até dois dias (prazo válido para algumas cidades) em uma loja da rede. A companhia também transformou o seu site em um marketplace, ou seja, começou a permitir que terceiros anunciem e vendam produtos em sua plataforma, uma estratégia para complementar o seu catálogo.

    As ações têm dado resultados positivo à empresa, que vem registrando lucros recordes nos últimos trimestres, além de ver suas ações subirem 504,5% em 2017. No terceiro trimestre de 2017, o lucro da companhia foi multiplicado por quase quatro e atingiu R$ 92 milhões, o maior já registrado pela empresa no período. As vendas on-line foram responsáveis por 30% do faturamento da empresa no período, que foi de quase R$ 2,9 bilhões. No acumulado de 2017 até setembro, o lucro é de R$ 223,4 milhões.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.