i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Entretenimento

As dificuldades das cinco grandes da tecnologia em conquistar o entretenimento

Alphabet, Amazon, Apple, Facebook e Microsoft tentam expandir seu poder e influência para o sul da Califórnia, mas o caminho não é tão fácil quanto parece

  • PorFarhad Manjoo
  • The New York Times
  • 21/10/2017 07:55
 | Doug Chyka/NYT​
| Foto: Doug Chyka/NYT​

Os gigantes da tecnologia são muito grandes. Além de Donald Trump, esse é tema definitivo de 2017, a metanarrativa espreitando sob qualquer outra manchete.

As empresas que eu chamo de Cinco Temíveis — Amazon, Apple, Facebook, Microsoft e Alphabet, a holding do Google — tiveram um crescimento surpreendente ao longo dos últimos anos, tornando-se as cinco empresas de capital aberto mais valiosas do mundo. Como elas possuem a tecnologia que irá dominar grande parte da vida em um futuro próximo, também estão ganhando enorme poder social e político em grande parte do mundo.

Leia também: De onde vêm os bilhões que gigantes da tecnologia como Apple e Google faturam

Agora, esse mundo está lutando para descobrir o que fazer com elas. E está descobrindo que as mudanças que estão desencadeando — na economia, na vida cívica e política, nas artes e no entretenimento, e em nossa psique confundida pela tecnologia — não são simples de compreender, muito menos de limitar.

Passei os últimos anos estudando o surgimento desses gigantes. À medida que as tensões sobre o seu poder chegavam ao ápice em meados deste ano — Facebook e Rússia, Google e sexismo, Amazon e Whole Foods — comecei a pensar mais sobre a natureza e as consequências de seu poder e a conversar com todos que pudesse sobre essas empresas. Entre eles, havia pessoas da indústria de tecnologia, bem como muitas em outros centros de poder: Washington, Hollywood, a imprensa, as empresas de saúde e automotivas, e outros cantos da sociedade que logo poderão ser atraídos por uma ou mais das Cinco.

Aqui, avalio seus esforços para se infiltrar em entretenimento — seus planos para aprofundar o negócio de filmes, TV e música e os temores de dominação cultural que esses movimentos provocaram.

Por que começar com as indústrias culturais? As Cinco suscitam preocupações de controle social total. Muitas pessoas temem que elas possam converter seu controle em plataformas digitais chave para a propriedade por atacado de indústrias adjacentes, que dependem dessas plataformas, dando-lhes maior poder econômico e social.

A indústria do entretenimento é um bom lugar para avaliar essas afirmações, porque, de maneiras diferentes, as Cinco passaram anos criando plataformas para a distribuição de arte, cultura e mídia. O Facebook controla as notícias; o YouTube do Google tem vídeos e música; o Xbox da Microsoft tem jogos; a Amazon vende livros, filmes e TV (e, através do seu serviço de hospedagem na web, o AWS, hospeda muito mais, incluindo a Netflix); e a Apple tem praticamente o mesmo, além de todos os aplicativos.

No entanto, em entretenimento, também vemos os limites de seu empenho para entrar em um novo território. Embora suas tecnologias tenham alterado quase tudo na maneira como compramos e experimentamos a cultura pop, as Cinco não foram as maiores beneficiárias das mudanças.

Elas estão despejando dinheiro no entretenimento, mas foram encurraladas por startups mais ágeis como Netflix e Spotify. A Amazon lutou para fazer um programa de sucesso, enquanto os planos da Apple para criar conteúdo original estão sempre por vir. (Houve um acordo para uma nova versão de Amazing Stories, a série de Steven Spielberg dos anos 1980, mas não se sabe quando será transmitida.) Todas as Cinco trabalharam para conquistas uma posição definitiva e dominante nos novos e tumultuados mercados que suas plataformas geraram.

Leia também: Apple vai investir US$ 1 bilhão para concorrer com a Netflix

"Dinheiro burro"

Muitas vezes, em conversas com pessoas de Hollywood, ouvi se referirem ao pessoal de tecnologia como "dinheiro burro" — o tipo de gente de fora (no passado, vieram do petróleo e depois das finanças) que desfila pela cidade procurando um lugar de influência. Um executivo de Hollywood que trabalhou bastante com empresas de tecnologia me disse: "Eu não diria que temos medo delas, não".

As dificuldades das Cinco no entretenimento, se persistirem, sugerem que elas podem estar tão em dúvida sobre as mudanças operadas pela tecnologia quanto todos nós — ou seja, que não entendem muito, e ainda não começaram a dominar a conversão de seus poderosos recursos tecnológicos para um poder cultural mais amplo.

Loja física de livros da Amazon
Alex Wroblewski/NYT​

Não muito tempo atrás, essa história parecia bem mais fácil. Com o iPod e o iTunes, a Apple dominou uma indústria da música que estava lutando para responder à era digital. A Amazon eclipsou a Barnes & Noble como o maior bicho-papão das livrarias independentes; durante anos, travou batalhas difíceis com o mercado editorial sobre os contratos de vendas que os editores diziam ser demasiado onerosos. Através do YouTube, o Google ganhou o controle sobre não apenas vídeos engraçados de gatos, mas também sobre o substituto moderno do rádio (muitos clipes musicais são assistidos no YouTube). E o Facebook se tornou a fonte de notícias mais popular do mundo, uma posição que consumiu seus líderes durante grande parte do ano passado.

Mas há o outro lado da história. Como já mencionei antes, enquanto os músicos tiveram que encontrar novas fontes de receita, o aumento das assinaturas on-line e uma nova disposição do consumidor para o pagamento levaram a uma explosão de novas vozes culturais.

Enquanto isso, alguns problemas anteriores não se tornaram realidade: livrarias independentes e livros impressos estão voltando e as editoras estão desfrutando de lucro recorde. E a ânsia dos gigantes da tecnologia de criar mercados de entretenimento trouxe uma bonança para alguns artistas. Para competir por novos membros, Apple, Tidal e outros serviços de streaming estão pagando bônus generosos. A Apple pagou a Chance, the Rapper US$500 mil por duas semanas de acesso exclusivo ao seu último álbum.

O dinheiro da indústria tecnológica está sendo largamente investido em Hollywood. "Há muitos novos mercados para os talentos e os roteiristas explorarem, e os criadores aqui adoram", disse Marty Kaplan, professor de entretenimento, mídia e sociedade da Escola Superior de Comunicação e Jornalismo Annenberg, da Universidade do Sul da Califórnia. "Em vez de ter sete compradores para sua ideia, agora há cerca de 20 — e isso deixa todo mundo feliz."

Além da tecnologia

Esta história pode parecer intrigante. Os gigantes da tecnologia são as empresas de mídia mais sofisticadas do mundo, então porque, mesmo depois de abrir suas carteiras, eles lutaram para conquistar Hollywood?

É porque a tecnologia não é tudo o que importa. As Cinco conquistaram seu poder dominando a indústria de tecnologia. Eles alcançaram o domínio em um campo que é ganho com informações, dados e precisão.

Mas, mesmo que agora controlem plataformas valiosas, à medida que se mudam para áreas que exigem uma flexibilização de suas habilidades, eles descobrem que não poderão assumir o controle. Várias pessoas em Hollywood me disseram que muitas das Cinco simplesmente não pareciam "entender" o negócio de filmes e TV. Elas trouxeram as ideias tecnológicas do norte da Califórnia para a festa do entretenimento do sul, e não entenderam o valor da imaginação, do talento e da inspiração subjetiva.

Essa miopia faz parte de um padrão. Você vê isso no modo pelo qual o Facebook foi pego de surpresa com a forma em que foi usado durante a eleição, ou na descoberta do YouTube de que algumas de suas maiores estrelas estavam propagando discursos de ódio em sua plataforma.

Os gigantes da tecnologia mudaram grande parte da sociedade, mas mesmo eles têm dificuldade em entender e navegar o caos das novas plataformas que construíram. Não dá para se ter certeza de que tenham o domínio do futuro.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.